segunda-feira, janeiro 14, 2019

Sakidilá...




“Sakidilá, sakidilá, sakidilá…zambiyétu”, “Obrigada, obrigada, obrigada senhor Jesus…” foi assim que se começou mais um ano na linha da frente, a ouvirmos palavras em kimbundo, uma das línguas mais faladas em Angola e bem diferente do umbundo que ouvimos no “nosso” Gungo. Foi então assim que celebrámos o início do ano de 2019 na paróquia de São Tiago no E-15 ao som de batuques, cânticos e um calor bem diferente do frio de janeiro, que se faz sentir em Portugal.


No dia 5 de janeiro iniciámos a nossa subida até à Donga. Apesar da ausência de chuva, que se tem sentido nos últimos tempos, ter facilitado a subida do cavalinho pela picada, é bem visível a falta que ela faz. Por isso, em cada oração, pedimos que a chuva venha e encha os rios, regue as lavras, faça o milho crescer e virar fuba, para que os irmãos camungungos possam saciar a sua fome comendo funge.
A nossa estadia no Gungo centrou-se principalmente na preparação do novo ano pastoral. A assembleia da missão reuniu os catequistas dos diversos centros do Gungo para fazer o balanço do ano que passou e preparar o próximo.

Durante estes dias as manhãs iniciaram às 5h40 com oração e trabalhos na lavra, antes das reuniões da assembleia.  
Para além das muitas consultas efectuadas e da continuação ddos trabalhos de mecânica e serralharia, juntámo-nos às diversas tarefas das mamãs e papás. Num dos dias debulhámos milho enquanto enxotávamos galinhas. É ‘só’ dar à manivela com um ritmo certo, deixar entrar a espiga direita para não encravar e não parar. Parece fácil! Noutro dos dias escolhemos ginguba, enquanto ouvíamos histórias contadas pelo Tio Zé, do “outro tempo” em que os montes do Gungo eram cobertos de girassóis e cisal, e, por momentos, somos também nós transportados para essa época e pensamos “Como é possível o ‘nosso’ Gungo ser ainda mais bonito?”.
No dia 10 de janeiro, chegou o dia da descida da picada. Esta foi a última descida das manas Carolina, Inês e Mónica. Ou talvez não tenha sido a última, pois os seus corações ficaram presos num embondeiro….talvez um dia elas regressem para os recuperarem.







Tukasi Kumosi!

domingo, dezembro 30, 2018

1ª sessão de formação

O novo ano vai começar com a primeira sessão se formação da fec.
Será no segundo fim de semana do ano, oprazo de incrições éapenas até ao dia 4 de janeiro às 12h mas é uma grande oportunidade de formação para o trabalho missionário.
Estão abertas as inscrições para a 1ª sessão de formação para voluntários com o tema “Voluntariado Missionário e Espiritualidade”, a realizar nos dias 12 e 13 de janeiro de 2019 na Casa de Saúde do Telhal (Sintra) (Morada:  Estrada do Telhal, nº55 / 2725-588 Mem Martins).
 Por favor façam a vossa inscrição em: https://goo.gl/forms/q4pU28Y1bYAHQ1lv1

sábado, dezembro 29, 2018

Natal na linha da frente


Chegaram a Luanda, no dia 18 de Dezembro, as manas Carolina, Mónica e Inês. À sua espera tinham o Padre David, a mana Teresa, o mano Carlos e a mana Sílvia.
Depois de uns dias passados na capital e na cidade do Sumbe a ultimar as tarefas necessárias antes de partir para o Gungo, no dia 21, subimos finalmente para a Donga. Muitos irmãos camungungos percorreram longas distâncias para se juntar a nós para celebrar o Natal. Foram dias intensos de preparação espiritual e de preparação para os sacramentos que foram celebrados.
Muita gente acorreu à missão com problemas de saúde. Foram efectuadas mais de 100 consultas. Constatámos que, infelizmente, o paludismo continua a ser uma realidade no Gungo.
Foram possíveis dois momentos de formação com os jovens (um sobre a importância do envolvimento dos jovens na vida cristã e outro sobre o Natal). Com as crianças preparámos um presépio com figuras em capim para juntar ao de barro preparado pelos jovens.
Foi projetado o bonito filme deixado pelo Padre Joaquim sobre a vida de Maria de Nazaré, servindo este de base para reflexão e dramatização pelos jovens.
Na consoada não faltou o repasto preparado pelo avozinho Filipe, com direito a bacalhau e bolo rei (preparado pela mana Teresa). Seguiu-se a vigília de Natal, onde vivemos com muita alegria o nascimento do menino Jesus: Cânticos, batuques, palmas, danças e sorrisos marcaram a celebração campal, uma forte manifestação de fé que encheu os nossos corações.
Na missa de dia de Natal tivemos a celebração de 15 casamentos e 47 baptismos, bem como a 1ª comunhão de alguns dos noivos. Que alegria! O Padre David proferiu uma homilia interpeladora com desafios a serem assumidos neste Natal pelas crianças, jovens e adultos. O nascimento de Jesus tem de significar uma transformação na vida de cada um!
Por estes dias o mano Carlos foi sempre muito solicitado para o arranjo de motorizadas (o veículo mais usado na picada) e para a manutenção de equipamentos e veículos da missão. O novo soldador chegou intacto e será certamente uma mais-valia. A nova coluna de som foi já usada, com sucesso, nas festividades do Natal.
Com o fim das celebrações, as dezenas de camungungos que haviam subido à Donga regressaram para os seus bairros. No dia de Natal à noite houve trovoada e chuva, já há muito aguardada por todos. A cisterna encheu e o milho ficou bem regado!
A 26 de Dezembro, dia de celebrar o aniversário do Padre David, foi possível aproveitar a presença do elefante (o camião da missão) e efectuar 3 carregamentos de terra para fabricar blocos na Donga. Descemos até ao Sumbe e, no dia seguinte, seguimos para a Quibala para celebrar o Natal missionário. Um momento de partilha com os padres e irmãs missionários de toda a diocese do Sumbe e onde contámos com a presença do Sr. Bispo diocesano, D. Luzízila Kiala.
Assim segue a vida na linha da frente. No domingo, dia 30, partiremos para o Gungo para celebrarmos, na Tuma, a Festa da Sagrada Família!

Tukasi Tumosi!

quarta-feira, novembro 28, 2018

TWAPANDULA!


De 1 a 28 de novembro foi-me dada a graça de conviver de perto com a equipa missionária da vanguarda na missão de S. José do Gungo, na diocese do Sumbe, geminada com a diocese de Leiria-Fátima. De momento, de Leiria-Fátima, está o Pe. David Nogueira e os missionários leigos Sílvia Antunes, da paróquia do Souto da Carpalhosa e Carlos Santos, das Chãs, paróquia de Regueira de Pontes. Da diocese do Sumbe estão em missão em Leiria-Fátima os padres Rogério Chitapa, nas paróquias de Matas e de Espite e o Pe. Lucas Mendes na Maceira.






Uma coisa é ver imagens e ouvir falar; outra é tocar, sentir, cheirar, viver de perto a realidade. Centrados em Cristo e inspirados pelo Espírito Santo, os membros da equipa missionária e os seus colaboradores mais próximos alimentam a sua fé nos momentos de oração da manhã, da noite e na eucaristia que é sempre um alegre encontro com Cristo e com os irmãos vindos dos muitos bairros, dispersos pelas montanhas do Gungo. Depois do “mata-bicho” (pequeno almoço) são distribuídas as tarefas e, cada um, segundo os seus talentos, dá o seu contributo, com dedicação e amor. No centro da Donga, por exemplo, faz-se de tudo um pouco: a sementeira do milho e do feijão (agora é o tempo das lavras), a soldadura de peças de motos e do tractor, a moagem do milho, o telhado da casa do gerador, a mecânica e eletricidade, a descasca do milho e da ginguba (amendoim), o cuidado da horta e dos animais (dos porcos, cabritos e galinhas), a construção da nova casa de acolhimento para os catequistas, as consultas aos doentes, a pastoral da criança, a cozinha do “Chefe” avô Filipe; o fabrico de blocos de terra comprimida (BTC), as formações de jovens, catequistas, casais; as explicações das várias matérias da escola, as sessões de cinema… Esta é apenas uma lista das muitas actividades realizadas pelos missionários, por amor a Cristo e aos irmãos, com muita generosidade, alegria, entusiasmo, uma boa dose de humor, muito sacrifício e toneladas de paciência. Basta pensar nas horas de picada para chegar à Donga e não só…pois com a reparação da estrada nacional 100, grande parte do percurso entre Luanda e Benguela faz-se por picada, por causa dos trabalhos em curso.
Na vida também precisamos de lazer. Numa saída da equipa missionária foi-me dada a possibilidade de conhecer de passagem a cidade de Benguela, do Lobito, do Lubango e do Namibe e de passar uma tarde junto de umas belas quedas de água, nas Cachoeiras do Binga, numa tarde de avaliação e ao mesmo tempo de convívio.
Agradeço às dioceses de Leiria-Fátima e do Sumbe e aos seus respectivos pastores D. António Marto e D. Luzízila Kiala e à equipa missionária da missão de S. José do Gungo – Pe. David Nogueira, mana Teresa, avô Filipe, mana Sílvia e mano Carlos e seus colaboradores mais próximos por esta experiência na vanguarda da missão.
Que Deus a todos abençoe e conceda todas as graças e meios necessários para continuarem a servir o povo disperso pelas montanhas do Gungo. TWAPANDULA!

Pe Joaquim Domingos Luís

segunda-feira, novembro 19, 2018

Boa missão, Irmã Nancy!

Saudações fraternas!

A Ir. Nancy não vai só:
leva ao seu lado Nossa Senhora de Fátima.
E, na mochila às costas, leva a imagem desta.
Oferecida pelos seus amigos Ondjoyetu. Com muita Gratidão.
Ontem, a nossa querida Irmã Nancy deixou Portugal rumo ao México para responder a um novo chamamento de Deus: uma outra missão a espera, desta vez no âmbito da Pastoral Vocacional, na sede da sua congregação, as Filhas de Santa Maria de Guadalupe.

Depois de ser missionária em Angola, a Ir. Nancy chegou a Portugal no dia 22 de setembro de 1998, para a sua primeira missão na diocese de Leiria-Fátima. Durante 10 anos esteve integrada na comunidade das Irmãs Filhas de Santa Maria de Guadalupe, na cidade da Marinha Grande, tendo regressado em julho de 2013 para a sua segunda missão por terras lusas. Em ambas as missões, a Ir. Nancy desenvolveu a sua acção na Pastoral Social (visita aos doentes e idosos), Juventude Operária Católica, Catequese, celebração da Palavra nos lares, atendimento de cartório, entre outros serviços.Também colaborou com outras comunidades e em diversas actividades da diocese. Além disso, foi, com o Pe. Vítor Mira, co-fundadora do nosso grupo missionário, em agosto de 1999, participando desde aí na coordenação e nas diversas actividades Ondjoyetu. No ano 2000, esteve durante um mês em Angola, integrada na primeira equipa missionária do projecto ASA - Acção Solidária com Angola. A partir de 2002, participou assiduamente na missão anual realizada nas férias de Verão - a Missão no Alentejo, e, neste presente ano, em Figueiró dos Vinhos e Pedrógão Grande.


Damos graças a Deus pela vocação da Ir. Nancy e pelo tempo de missão que viveu no nosso país. Pela sua alegria, humildade, simplicidade, generosidade, dedicação a Deus e aos outros, pelo seu testemunho de vida, por tudo o que fez na família Ondjoyetu, por tudo o que é, MUITO OBRIGADO, Irmã Nancy. Muitas felicidades e muitas bênçãos de Deus para esta sua nova missão. E aqui fica a nossa profecia: não há duas (missões em Portugal) sem três :) Hasta pronto! Estamos juntos.

O Grupo Missionário Ondjoyetu


Sempre acreditei que Deus tinha e tem um PLANO DE AMOR para todos e para mim também; tinha de encontrá-lo, abraçá-lo, amá-lo e segui-lo, sempre com espírito de Fé e Amor, de entrega ao Irmão, sem distinção de raça, de cor, porque Deus está nele e nele devo amá-Lo.
Irmã Nancy Ortiz Casas

domingo, novembro 11, 2018

Animação missionária no Centro de Estudos de Fátima - CEF

No contexto do Outubro Missionário, recebemos o testemunho da professora Maria da Graça Fevereiro sobre a animação missionária realizada em turmas de EMRC, no Centro de Estudos de Fátima – CEF.

Destacamos a participação dos Ondjoyetu Pe. Joaquim Domingos Luís, director do Serviço de Animação Missionária (SAM) de Leiria-Fátima, e Ir. Susana Salinas, da Congregação Filhas de Santa Maria de Guadalupe.

Aqui fica a partilha desse testemunho:
Inserida no mês missionário, realizou-se durante o mês de outubro, no Centro de Estudos de Fátima – CEF, a sensibilização para a missão e, este ano, respondendo também ao convite do Papa Francisco, que declarou o mês de outubro de 2019 “Mês Missionário Extraordinário». A iniciativa do Papa tinha por fim celebrar o centenário da Carta Apostólica Maximum Illud, de 30 de novembro de 1919, do Papa Bento XV, com o objetivo de despertar para uma maior consciência da missão e dar um novo impulso à transformação missionária da vida e da pastoral. Para isso, a Conferência Episcopal Portuguesa publicou uma Nota Pastoral para o Ano Missionário e o Mês Missionário Extraordinário, com o tema “Todos, Tudo e Sempre em Missão”, que decorre desde outubro de 2018 até outubro de 2019.

Assim, neste contexto de celebração e respondendo ao convite à missão, este ano o CEF recebeu vários missionários, nomeadamente, o P. Joaquim Domingos, SVD, responsável diocesano pela animação missionária nas escolas. E o P. Joaquim veio acompanhado por algumas religiosas: a Ir.ª Conceição Pena, das Irmãs Franciscanas de Nossa Senhora das Vitórias; a Ir.ª Adelaide, das Irmãs de S. José Cluny; as Irmãs Luciana, de Timor, e Rosa, das Escravas da Santíssima Eucaristia e da Mãe de Deus; e ainda a Ir.ª Susana, do México, das Filhas de Santa Maria de Guadalupe, que se encontram na Marinha Grande. Este grupo de missionários foi-se alternando pelas várias turmas do 9.º ano e das turmas do Ensino Secundário.

Foi uma partilha rica de experiências que não terá deixado de lançar sementes para a missão, no coração dos jovens que participaram nas ações de sensibilização missionária, realizadas durante as aulas de EMRC. De salientar que a turma C do 9.º Ano aprendeu o hino missionário, Portugal vive a missão, do compositor P. António Cartageno, surpreendendo e presenteando os animadores das ações com uma perfeita execução deste Hino! Obrigada a todos pela partilha!

Maria da Graça Fevereiro


Lembramos que o SAM está disponível, ao longo de todo o ano, para sessões de sensibilização missionária em paróquias, catequeses e escolas. Para esse efeito, envie, por favor, e-mail para animissionaria.leiria@gmail.com. Obrigado.

segunda-feira, outubro 29, 2018

NOTICIAS "FRESCAS" DA LINHA DA FRENTE

No passado dia 19 voltámos a subir as montanhas do Gungo onde fomos até ao Chitonde, ao bairro Dula. Fomos acolhidos pelos habitantes locais com os seus cânticos de boas vindas que até nos fazem ficar emocionados ao ver tanta alegria naqueles rostos de felicidade por uma coisa tão pequena. Permanecemos neste bairro até domingo. Depois da santa missa arrumámos a trouxa e partimos de novo para a sede da missão, a Donga, onde após a queda de alguma chuva na terra e nas nossas costas começámos algumas sementeiras na nossa horta junto da Missão.

A nossa vida na Missão, além de praticarmos a religião, somos também o pronto-socorro dos habitantes locais, desde os tratamentos de doenças, aos aconselhamentos para o matrimónio, reparações de charruas, reparações de motas dos locais, manutenção do cavalinho branco, da mula e do elefante, ensinamentos de vida e escolares aos mais jovens, fazemos de tudo um pouco para o bom funcionamento da missão.


No dia 25 descemos ao Sumbe, depois de umas horas de saltos e barrigadas de poeira proporcionadas pelas estradas, ah! enganei-me! “picadas”!, preparámos a nossa vinda à capital angolana. Mas antes ainda fomos ao peixinho no Quicombo. Dia 27, rumámos então para Luanda a fim de trazer a nossa amiga e companheira Vanda ao aeroporto para o seu regresso a Portugal. No caminho parámos num ponto obrigatório, o Miradouro da Lua e fomos ainda ver o artesanato local. Estaremos estes dias em Luanda esperando o nosso amigo Padre Joaquim Luís que estará connosco o próximo mês de Novembro e vem trazer um pouco de ar fresco, uma vez que aqui está calor que chegue.

Nestes dias em Luanda estamos a tratar da compra de alguns alimentos, tratar de alguns assuntos relacionados com a Missão para, de novo, regressarmos às montanhas do nosso Gungo onde iremos permanecer mais uns dias para tentarmos cumprir a missão que nos foi confiada por Deus. A nossa estadia em Luanda, como acontece muitas vezes, é nas instalações do nosso amigo Filipe Santos, onde somos sempre muito bem acolhidos, desta vez com as honras da sua filha Ana e seu genro sr João. O nosso obrigado.
A Linha da Frente

Reunião mensal de novembro

Missa de acção de graças pela missão da Ir. Nancy em Portugal | 20/10/2018
A próxima reunião mensal realizar-se-á neste sábado, dia 3 de novembro, às 21h00, no Seminário Diocesano de Leiria. Entre outros assuntos, faremos o balanço do Outubro Missionário e ouviremos o testemunho da nossa missionária Vanda Marques, que já está de volta a Portugal depois de um mês de missão em Angola. Esta será também mais uma oportunidade para estarmos com a nossa Irmã Nancy, que partirá em missão para o México no dia 18 de novembro. Seguir-se-á à reunião o habitual convívio com chá/lanche partilhado.

Para um cristão, não é possível imaginar a própria missão na terra sem a conceber como um caminho de santidade, porque «esta é, na verdade, a vontade de Deus: a [nossa] santificação» (1 Ts 4, 3). Cada santo é uma missão; é um projeto do Pai que visa refletir e encarnar, num momento determinado da história, um aspeto do Evangelho. Papa Francisco, Gaudate et Exsultate, 19