sexta-feira, fevereiro 21, 2020

Saudações Portugalito


A malta cá da linha da frente está toda bem e cheia de notícias fresquinhas para vos dar.
No passado dia 2 de Fevereiro saímos do Sumbe rumo ao Uquende para uma semaninha de trabalhos…
Estamos a continuar o processo de tratamento das chapas para o telhado da nova capela. Lixar, polir e pintar. Uma tarefa bem demorada, mas necessária. Nos intervalos para desanuviar fizemos novos "marcadores de guardanapo". Bem bonitos!
As novidades mais fantásticas e “mirabulásticas” da semana foram que já temos um quadro no nosso Uquende que deixou os olhinhos das nossas crianças a brilhar de tanta alegria. Obrigado Portugal por esta dádiva que chegou até nós com o Contentor (Julho de 2019). E o nosso tio Ventura fez uma chaminé que suscitou a curiosidade de toda a comunidade e que depois de ver a utilidade e de se perceber que o fumo “já era”, começaram a chover encomendas de chaminés para todas as mamãs do bairro.
As manas, exaaaaaaustas do trabalho burocrático de cartório foram exercitar as pernocas e apanhar abacates à lavra da mãe Carolina. Conhecemos uma nova fruta, “môiôiô”, mas é bem azeda e ácida… vimos os porcos, e os produtos da época na terra (canas de massambala e canas de açúcar, batata doce, banana, maçã, vários tipos de verduras, etc.).
Em casa o Sr. Padre David instalou um sistema de baterias que se encontram em fase de testes para depois se poder colocar painéis solares como alternativa à energia proveniente do gerador.
Dia 14 a equipa deslocou-se para a sede da missão, a Donga, pois, dia 15, sábado, tivemos encontro e avaliações para os catecúmenos.
Claro que o trabalho não falta por estas bandas e já iniciamos com as lavoiras da ginguba. Aqui continua-se a semear da forma tradicional – dois bois, uma charrua, um charrueiro, dois semeadores e muito suor a escorrer pelo rosto de todos, que o trabalho do campo é bem duro.
Nas nossas hortinhas perto de casa também temos recolhido alguns produtos bem deliciosos, alface, beringela, beldroegas, couve, maracujás gigantes, etc.. Também houve aumento na família, nasceram três bacorinhos e dois cabrititos.
Em relação à saúde dos nossos camungungos, continuam a chegar até nós muitos casos de paludismo. É uma situação que nos preocupa, mas o facto de virmos à cidade do Sumbe com regularidade permite-nos obter os meios necessários para ajudar as pessoas. Também na manhã do dia em que íamos regressar à casa Ondjoyetu (Sumbe) houve um acidente entre duas motas que colidiram, resultando disso alguns ferimentos que necessitaram da nossa intervenção. Felizmente nada de muito grave.
Este ano o nosso catequista residente na missão, que todos bem conhecem, Tio Calei, acolheu duas netinhas e uma chará da mãe Feliciana (sua esposa). As três meninas continuam à espera, bem como as outras crianças, do professor da 1ª classe que até então nunca apareceu… Assim, as manas aproveitam o tempo para fazer a iniciação através do grafismo. Obrigado à família Abílio Mena e Cátia, amigos do Lobito. E como a vida não é só trabalho, fizemos junto com as meninas umas pulseirinhas de “boa sorte” para o primeiro ano lectivo delas. Obrigada pelas linhas de croché que nos enviaram a partir de Portugal.
Dia 17, dia de viajar até ao Sumbe, pelo caminho “escapámos lá” de parar para comer umas belas espetadas. Pela picada, avistámos a jovem Celma que tinha caçado uma bela amostra de insectos com predominância de uns apetitosos gafanhotos J.
No Sumbe, estamos a preparar a nossa subida ao Gungo e aproveitámos para dar um pulinho à Catedral onde se consegue sentir a maresia e apreciar aquele lugar de encontro com Deus. Assim nos despedimos alertando para o facto de que a próxima temporada irá ser de duas semanas seguidas no Gungo. Portanto preparem os vossos corações que estamos a vir!

A Linha da Frente 











sexta-feira, fevereiro 07, 2020

Walalé Puto?!



Quanto tempo… É verdade já passaram umas semanitas e nem acreditamos que já é Fevereiro! O tempo urge nestas bandas.
Bom! Recuando… Dia 11 de Janeiro a equipa missionária subiu até à Donga numa viagem que se revelou muito difícil e exigente para todos. Está a chover e, como podem imaginar, a picada colocou as suas garras de fora! Connosco foram 5 seminaristas: 3 estudantes de Filosofia (João, Robertino e Aguiar) e 2 de Teologia (Isaías e Evaristo). Um caminho de 12 horas com desafios a cada passo. Nesta viagem o Unimog (o nosso Elefante) acompanhou-nos par e passo, puxando-nos 2 vezes, mas, mesmo assim, o Cavalinho (Land Cruiser) saiu muito cansado e ferido. Um pneu furou, um dos depósitos de combustível também, o apoio das molas de trás na parte onde fixa o amortecedor também quebrou do lado esquerdo, e no mesmo lado, mas à frente, o amortecedor também se separou.
Dia 12, Domingo, dia do Senhor, celebrámos a nossa Santa Missa e, à tarde, deu-se início à Assembleia da Missão que decorreu até dia 15. Daqui resultou a avaliação do ano transitado e o acerto das actividades a desenvolver neste novo ano. Depois disto, os nossos queridos seminaristas dividiram-se em duas equipas para cada uma visitar 4 centros diferentes e, no final de 3 ou 4 dias em cada Centro, regressaram à Donga. Entretanto, no Gungo, estava outro seminarista que terminou o seu tempo propedêutico e que resolveu juntar-se aos companheiros. O nosso querido Ângelo Guelenguele do centro do Chitonde.
Outras tarefas foram-se executando como o trabalho na horta, a continuação da recuperação da cisterna, desentupimento da canalização de esgotos, tirámos o motor da Mula (a nossa velhinha Toyota Hilux) para tentar reparar em Luanda, descamisámos e debulhámos milho, descascámos ginguba (amendoim), etc.
Entretanto, a mana Sírvia (como as crianças gostam de lhe chamar) ficou no Sumbe e com a jovem camungunga Cristina (que reside na nossa casa para conseguir estudar) ficaram com a missão de ir até Luanda buscar o nosso tio Calei. Foi um mesinho a Portugal visitar o netinho, o nosso querido pequeno Vítor e aproveitar para rever a família dos ONDJOYETUS e conhecer outros amigos e benfeitores. No regresso aproveitámos para a habitual fotografia no Miradouro da Lua.
Neste período, dia 15, em Luanda também acompanhámos e festejámos o dia em que Arnaldo Jansen fundou Verbo Divino. Mais um motivo de alegria foi a ordenação de 5 jovens para esta congregação de verbitas. Parabéns a si também Padre “Jaquim”! Uma vez acolhidas nesta casa a mana Sílvia foi passar o dia no CAAJ, um centro de acolhimento de crianças e jovens do sexo masculino que por variadíssimas razões ali foram parar. Sob a supervisão e orientação do Irmão Facatino, têm comida, cama, roupa lavada,… um lar onde viver! Além da possibilidade de estudarem também recebem apoios de voluntários, empresas e particulares que doam o que podem. Tempo, sopa, cursos de informática, aulas de reforço escolar, passeios, etc.
No Sumbe ainda houve tempo para fazer um bolinho com as crianças que frequentam a nossa casa para levarmos á equipa que já estava no Gungo, porém tivemos de o provar antes e estava uma delícia. Quem gosta de fazer bolos e mais ainda de os comer, fica a sugestão: Bolo Verde, mas com salsa e rúcula, e, por cima, uma cobertura de chocolate.
Dia 18, Tio Calei, mana Sílvia e mano Mário subiram até ao Gungo de Unimog ao encontro da restante equipa que se concentrou no Uquende para mais uma semana e meia de trabalho na Capela. As manas crivaram areia e convocada a comunidade decidiu-se fazer o altar de forma arredondada e o ambão e o altar em BTC (Bloco de Terra Comprimida). Próximos trabalhos para a nossa subida ao Uquende serão continuar a fazer o rejunte das paredes e tratar das chapas para o telhado.
Na cozinha foi feita uma base com blocos para se fazer fogueira e cozinha ao lume (que deixa a paparoca bem gostosa) e vamos tentar fazer uma chaminé por causa do fumo.
As manas ocuparam-se de manter a criançada activa numa época de véspera de iniciar o novo ano lectivo. Sabendo nós de antemão que nem todos vão poder estudar, ainda assim rezámos e rezaremos (pedindo que também coloquem nas vossas orações esta intenção) para que consigam vaga! Além dos B-A-“BA’s” também jogámos vários jogos didáticos e fizemos pompons com lã para enfeitar o nosso altar e ensinámos a fazerem pulseirinhas com linha de croché. Foi-se ao rio lavar roupa, fizemos pão e também se fizeram muitas consultas, com casos de paludismo, queimaduras, inflamações, feridas, tosse, dor de cabeça e barriga, etc.
Ainda conseguimos fazer equipas para: um dia ir até À Donga buscar blocos de BTC e carregar o Elefante com areia para os trabalhos da capela do Uquende; outro dia para carregar pedra na zona da Pamba, também para a capela; e mais 2 dias para carregar pedra na zona do Aweco e fazer trabalhos exclusivamente para a picada. Na picada houve vários sítios de intervenção, onde fizemos valas para a água poder escoar e cortámos capim alto e troncos que impediam a nossa passagem incluindo a das motas. Mas só nestas deslocações encalhámos em 3 vezes em sítios diferentes… Bom, mas o sítio de destaque foi mesmo o “Mameiro”, colocou-se 4 carradas de pedra (já em Outubro tinham sido postas 2) e cavaram-se mais valas por forma a impedir a acumulação de água. A verdade é que dá para passarmos, mas é um dos pontos que continua a apresentar muita dificuldade. É uma junção de terra e lodo que com uns pingos de água fica muito mole e faz “empapar” as rodas do carro, quando seco é tão rijo de cavar que ninguém acredita no que se transforma. Levámos algumas mães para cozinharem e muitas crianças para nos ajudar, almoçamos em partilha e foi muito divertido para todos para além do grande mérito que todos tiveram no empenho.
Domingo dia 26 fomos até ao Centro do Chitonde para celebrarmos a nossa Santa Missa e regressámos ao Uquende.
Terça dia 28, um dos dias em que fomos apanhar e carregar pedras no Aweco, encontrámos uma jovem em trabalho do seu primeiro parto desde o dia anterior. A família já tinha recorrido a um parteiro que foi fazendo o que podia com os meios ao seu alcance. A noite chegou e nós junto dos pais e marido levámos a menina ao posto de saúde do Uquende, mas as pessoas tinham-se deslocado para outras zonas. Tivemos o conhecimento de que no bairro estava um enfermeiro proveniente de outra localidade que prontamente se disponibilizou a ajudar-nos. A deslocação até ao Uquende já foi muito complicada e sabermos que chegar ao Sumbe iria ser muito pior. Mas em unanimidade decidimos arriscar a picada para salvar aquelas vidas. Saímos por volta das 3h da madrugada e chegámos ao hospital pelas 9h. Após alguns contactos já tínhamos uma equipa à nossa espera. Infelizmente o bebé já saiu morto, mas a mãe encontra-se bem e em recuperação. É mais uma das histórias do nosso Gungo. Já existe o Projeto da construção de uma UMIG Unidade Materno Infantil idealizada pela nossa querida “ondjoyeta” Inês Figueiredo, mas são coisas que não se implementam de um dia para o outro. Assim seguimos na esperança do seu avanço rápido e rezando para que possamos sempre acudir a todas as pessoas que se encontrem em momentos de aflição e sofrimento como este.
Dia 30 fomos para a Donga e no dia 1 de Fevereiro houve Encontro de Jovens guiado pelos seminaristas, avaliação de catecúmenos e Conselho Permanente para a programação dos próximos tempos da missão.
No dia seguinte adivinhem a nossa aventura!? Fomos caçar mel. É delicioso colher e degustar na hora esta dádiva das amiguinhas abelhinhas. Que sorte termos encontrado o tesouro delas! Tipo o desenho animado Winnie the Poo, até agora ainda nos devem estar a chamar de “gatunos” J
Dia 3 descemos para o Sumbe para vos partilhar as nossas andanças e preparar toda a logística da próxima subida que é já amanhã, sábado, dia 8. Nestes 4 dias, fomos ao peixinho do Quicombo num dos dias e noutro à água da Conda. E ainda: Atenção, muita atenção… fizemos pizzas que estavam uma maravilha e fizemos (invenção da mana Ção Julião) doce de maracujá gigante, que é tipo o “doce dos Deuses”.
Pronto, dizer-vos que estamos todos bem e animados, a sentir que o trabalho é muito e que o tempo já está a acabar. Em breve vamos regressar e fica tanto por fazer… Mas como se diz por estas bandas “catito, catito”. E cá vos esperamos também para dar continuidade a esta grande missão que é de todos nós.
Forte abraço da Linha da Frente










quinta-feira, janeiro 30, 2020

Reunião mensal de fevereiro

A próxima reunião mensal realizar-se-á já neste sábado, dia 1 de fevereiro, às 21h00, no Seminário Diocesano de Leiria. Entre outros assuntos, ouviremos novidades da Missão do Gungo e faremos o ponto de situação da preparação da nossa participação no ENDIAD 2020 e do dia de retiro Ondjoyetu a realizar-se na Quaresma. Seguir-se-á à reunião o habitual convívio com chá/lanche partilhado.

Queridos irmãos e irmãs, demos espaço dentro de nós à Palavra de Deus! Leiamos diariamente qualquer versículo da Bíblia. Comecemos pelo Evangelho: mantenhamo-lo aberto na cómoda de casa, tragamo-lo connosco no bolso ou na bolsa, visualizemo-lo no telemóvel, deixemos que nos inspire todos os dias. Descobriremos que Deus está perto de nós, ilumina as nossas trevas e amorosamente impele para o largo a nossa vida. Papa Francisco

2.ª sessão de formação FEC

Saudações missionárias!
A 2.ª Sessão do Plano de Formação de Voluntariado organizado pela FEC (Fundação Fé e Cooperação) realizar-se-á nos dias 15 e 16 de fevereiro, em Fátima, na Casa dos Franciscanos Capuchinhos.

Casa dos Franciscanos Capuchinhos, em Fátima

As inscrições poderão ser feitas até às 12h00 do dia 5 de fevereiro
Para esse efeito, preencha o respectivo formulário, clicando aqui.
Para algum esclarecimento ou apoio, poderá contactar o Grupo Ondjoyetu ou enviar um e-mail para catarina.antonio@fecongd.org (Catarina António - FEC).

Apresenta-se a seguir o programa detalhado:

Tema: Voluntariado e Cooperação para o Desenvolvimento
Local: Casa dos Franciscanos Capuchinhos – Fátima

Sábado – 15 de fevereiro
09h30: Acolhimento
10h00: Apresentação dos participantes e início dos trabalhos
10h30: As desigualdades no mundo
11h30: Pausa
12h00: A Educação para o Desenvolvimento e para a Cidadania Global                     
13h00: Almoço
14h30: Conceitos de Cooperação e de Desenvolvimento  
16h00: Intervalo
16h30: Voluntariado e Cooperação para o Desenvolvimento - problemas e desafios
18h00: Intervalo
18h30: Sínteses e Conclusões
19h30: Jantar
21h00: Testemunho Missionário   
    
Domingo – 16 de fevereiro
08h30: Pequeno-almoço
09h00: Ciclo do Projecto
                - Apresentação das etapas do Ciclo do Projecto
                - As fases de Identificação e Formulação do Projecto
10h00: Formulação do Projecto
                - Trabalhos de equipa
11h00: Eucaristia             
12h30: Síntese e Avaliação        
13h00: Almoço       



Formador convidado
La Salete Coelho | Escola Superior de Educação do Instituto Politécnico de Viana do Castelo | Centro de Estudos Africanos da Universidade do Porto  | Com experiência de vida em Moçambique e Guiné-Bissau.

Testemunhos  
Andreia Vicente e Nelson Carvalho | Voluntariado Passionista | Missão em Angola

Equipa Plataforma Voluntariado Missionário 
Catarina António | FEC | 936245545


Inscrição na Formação FEC – 1 sessão = 10€; 5 sessões = 20€
Estadia pensão completa em quarto duplo = 30€ 
Estadia pensão completa em quarto individual = 35€
Refeição = 10€  
Só dormida com pequeno almoço (1 noite) = 15€ 
(o almoço do primeiro dia - sábado, dia 15 - será partilhado, sendo todos convidados a contribuir com algo)

BOA FORMAÇÃO!

A palavra de Cristo habite em vós com toda a sua riqueza: ensinai-vos e admoestai-vos uns aos outros com toda a sabedoria; cantai a Deus, nos vossos corações, o vosso reconhecimento, com salmos, hinos e cânticos inspirados. Cl 3,16

sexta-feira, janeiro 10, 2020

2019/2020 – Natal, saídas e entradas

Linha da frente em alta, uma equipa renovada e sempre animada.  




No dia 20 de Dezembro, saída de Luanda rumo ao Sumbe, mas claro, já com os 3 novatos (Boaventura, São e Teresa), tinha de ter paragem no habitual Miradouro da Lua…
Chegámos à nossa casinha Ondjoyetu e foi chegar e andar. Dia seguinte, o trabalho era demasiado e não deu para seguirmos como estava planeado. Então, domingo dia 22, pelas 5h30 lá fomos nós até à Donga. Mana Sílvia pega no cavalinho (Land Cruiser) e o padre David no elefante (Unimog). E para o batismo na picada tínhamos de ficar encalhados. Desta vez na laminha do Cocole. Ah, e de praxe (só nesse momento) veio uma boa chuvada. Mas chegámos bem e celebrámos a nossa santa missa com a comunidade às 18h.
Segunda e terça, dias 23 e 24, houve encontros de jovens, da Pastoral da Criança e dos preparandos da 1ª comunhão. Ainda se destinaram equipas para tratar do presépio, da montagem de tendas e da preparação do alpendre para a missa do Natal. Mas toda a comunidade, nas primeiras horas da manhã, ia até à lavra da missão sachar o milho que bem está a precisar para aproveitar a chuvinha.
A ceia de Natal foi com o famoso bacalhau cozido e azeite caseirinho, uma maravilha. O nosso muito obrigado aos nossos benfeitores que sempre providenciam à equipa da frente um Natal com sabor a casa. Falta anunciar a melhor parte J, as sobremesas: pudim de ovos, bolo de ananás e arroz doce com canela, confecionado pelas fadas madrinhas Ção e Teresa que deixaram tudo um sonho! Seguiu-se a Missa do Galo e, no fim, tempo para jogar em família e conviver um bocadinho.
Dia 25, dia de Natal, o menino Jesus veio! Ao lado do presépio ficou a árvore de Natal, bem bonita, feita com a mãozinha de cada um dos 107 meninos que pintaram e recortaram durante as visitas aos bairros no advento. Bem colorida, cada centro foi representado por uma cor que eles definiram.
Fizemos uma missa campal e 45 pessoas entre jovens e adultos fizeram a sua 1ª Comunhão.
No dia seguinte arrumámos as trochas e lá fomos nós cavalgando rumo ao Sumbe. Como já tínhamos feito o batismo aos nossos novatos, na vinda, “quisemos” fazer a confirmação da ida e entalámos outra vez na Tchicatacata. AVISO: muito importante, neste dia celebrámos o aniversário do padre David, cantámos tantas vezes os parabéns que até ficou com mais meia dúzia de cabelitos brancos J.
Ora, quase que nos esquecíamos de vos informar de que no dia em que subimos ao Gungo já estavam a iniciar a arranjar a picada, apesar de só fazerem uma terraplanagem, ficámos bem contentes. Mas, mas no dia em que descemos, as máquinas já estavam arrumadas porque ao fim de 3km, avariaram (uma fuga de óleo). Assim continuamos na esperança…
Dia 27, dia do Natal Missionário, preparámos o piquenique para partilhar e, à semelhança do ano anterior, fomos até à Quibala para nos juntarmos com amigos missionários de toda a Diocese do Sumbe. Padres, madres, leigos, o Sr. Bispo D. Luzízila Kiala e vários representantes de diferentes congregações juntámo-nos para conviver, trocar experiências e partilhar iguarias.
Dia 28 foi de trabalhos na casa do Sumbe, tratámos da nossa hortinha, mecânicas, limpezas, canalizações, etc…
Dia 29 fomos celebrar a eucaristia no bairro do Sapato e, à tarde ainda deu para alguns jogos com as crianças. No final do dia, e comemorando o dia da Sagrada Família, fomos jantar a casa da Pascalina e do Rogério, ambos professores com 3 filhos lindos e amigos de longa data da Missão.
Dias finais de contagem decrescente até ao novo ano foi para… adivinhem?!… Trabalhar claro! Missão é missão! Estivemos a colocar tratamento nos bancos da capela que os bichinhos de tanto roer já havia pernas ocas por dentro, mais mecânicas aos carros, mais jardinagens e agriculturas, etc, etc, etc.
Dia 31 fomos à missa na paróquia de Cristo Rei, no bairro da Pedra 1, e, dia 1, fomos até à paróquia do Shingo na missa das crianças presidida pelo nosso padre David. A nossa passagem de ano foi com um copito de vinho do porto e uns belos sonhos de abóbora preparados pela mana Ção. No dia 1 de Janeiro de 2020, ao fim do dia, fizemos uma sessão de cinema na rua. Juntaram-se 132 crianças para ver o filme “Peter Pan”. Foi um momento mágico para todos e o nosso Kiko (o cãozinho cá de casa) estava radiante a passar entre as filas dos meninos para puder receber miminhos de todos.















Assim iniciámos o novo ano cheios de garra para abraçar os novos desafios e dar continuidade ao projecto missionário.

Feliz Ano Novo e muita coragem para todos
Ekolelo linene

Saudações da linha da frente

sábado, dezembro 28, 2019

1.ª Sessão de Formação FEC

Saudações missionárias!
O Grupo Ondjoyetu informa que a Fundação Fé e Cooperação (FEC) dará brevemente início ao Plano de Formação de Voluntariado Missionário deste ano pastoral, subordinado ao tema Quem ama põe-se em movimento! (Papa Francisco). 
A 1.ª Sessão de Formação realizar-se-á no fim-de-semana 11 e 12 de janeiro, em Mem Martins - Sintra, na Casa de Saúde do Telhal, e será orientada pelo Prof. Juan Ambrosio, da Universidade Católica Portuguesa.

Casa de Saúde do Telhal - Mem Martins - Sintra

As inscrições poderão ser feitas até às 12h00 do dia 2 de janeiro
Para esse efeito, preencha por favor o respectivo formulário  de inscrição, clicando aqui
Para algum esclarecimento ou apoio, poderá contactar o Grupo Ondjoyetu ou enviar um e-mail para catarina.antonio@fecongd.org (Catarina António - FEC).

Apresenta-se a seguir o programa detalhado:

Tema: Voluntariado Missionário e Espiritualidade
Local: Casa de Saúde do Telhal – Mem Martins (Sintra) 

Sábado – 11 de janeiro
09h30: Recepção dos Participantes
10h00: Início dos trabalhos: Laicado e Missão
11h30: Pausa
11h45: Laicado e Missão (cont.)
13h00: Almoço                  
14h30: Reinício dos trabalhos
17h00: Pausa
17h30: Testemunho Missionário
19h00: Pausa
19h30: Jantar
21h00: Convívio
    
Domingo – 12 de janeiro
08h15: Pequeno-almoço
09h00: A Espiritualidade Missionária
10h00: Eucaristia
11h30: A Espiritualidade Missionária (cont.)
13h30: Almoço                  

Formador convidado  
Prof. Juan Ambrosio – Professor da Faculdade de Teologia de Lisboa - Universidade Católica Portuguesa 
Testemunho 
A definir
Equipa/Organização  
Catarina António | FEC | 936245545
Grupo Missão Mundo   

Inscrição na Formação FEC – 1 sessão = 10€; 5 sessões = 20€
Estadia pensão completa (1 dormida + refeições) = 17,00€
Só alojamento = 6,00€ por noite
Só pequeno-almoço = 1,50€ 
Dormida e pequeno-almoço = 7,50€ por noite
Preço/refeição (almoço ou jantar) = 5,00€  
(o almoço do primeiro dia - sábado, dia 11 - será partilhado, sendo todos convidados a contribuir com algo)

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Aproveitamos ainda para relembrar que se encontra a decorrer, até dia 6 de janeiro, a campanha Presentes Solidários 2019, da FEC, parceira do Grupo Missionário Ondjoyetu. Para participar, clique por favor na seguinte imagem:


Continuação de um Santo Natal!