sábado, junho 15, 2019

“Em busca do vale encantado”

Olá amiguitos e amiguitas, lembram-se desse filme? Eram uns desenhos animados de dinossauros. As paisagens do nosso Gungo também são assim, encantadoras. Ora montanhas que se perdem de vista pela neblina matinal, ora montanhas radiosas iluminadas pelo belo pôr-do-sol. Ora vales viçosos e verdejantes, ora vales dourados pelo tom rosado da plumagem do capim. Ora florestas cerradas que nos cegam pela luz das suas reentrâncias, ora florestas abençoadas e desbravadas pela sua múltipla diversidade. Foi assim a magia da semana que deu início à visita dos bairros. Que poético, não é!? Mas, antes de vos contarmos mais, falta saberem do dia da criança…

Chegámos no passado dia 1 de Junho ao Uquende por volta da hora de almoço e, depois de almoçar,... FESTA! Não podíamos deixar os nossos camungunguinhos sem comemorar o Dia Mundial da Criança. Então fizemos um pequeno Peddy Paper de equipas onde, em cada estação, tinham que responder a algumas perguntas (ex: sobre a moagem, cultura, ciclo J (ex: teste à visão, olfacto e tacto; luta do lenço nas costas, …). Também tirámos uma fotografia a cada equipa com adereços e decorações feitos noutras estadias anteriores com as crianças. No final do dia, após a oração da noite, assistimos ao filme “O livro da Selva”. Ainda neste dia, quando estávamos na estação da nossa Olumema Olumema (moagem) tivemos uma bela surpresa, a visita do Biólogo Pedro Vaz Pinto (dedicado à Palanca Negra, símbolo de Angola) e do Ornitólogo Michael Mills (um Sul Africano de referência no mundo dos pássaros). Vinham à procura de um pássaro que só existe em Angola e como já está extinto em zonas que eles conheciam devido à intervenção do Homem (nomeadamente devido ao corte de árvores) queriam confirmar se ainda existia algum exemplar no nosso Gungo porque na última visita em 2005 encontraram-no.
Lonjuio

da água,…), pelo meio umas cantigas, e realizar alguns jogos educativos evidentemente
No Domingo os nossos novos amigos foram à procura do tal passarito pelas áreas da Chitiapa e Belém e nós fomos celebrar a nossa Missa e depois de almoço, como o Dia da Criança “cuiou”, teve “repete”. Mais umas cantorias, uns jogos (ex: transpor uma teia; rebentar balões com rebuçados de olhos vendados;…) e, no fim do dia, o filme “A Idade do Gelo”. Ao jantar os nossos amigos desvendaram-nos as suas aventuras na picada e a alegria de terem descoberto o celebre passarito.
Na segunda após a oração da manhã explicaram para a comunidade presente quem eram, o que faziam, como trabalham e mostraram as técnicas e equipamentos que os acompanham. Foi engraçado ver a reação das pessoas quando eles faziam ecoar os sons e cantos dos pássaros, rapidamente os identificavam e diziam os nomes no dialeto. Eles regressaram às suas vidas e nós continuámos com os nossos trabalhinhos…
A capela do Uquende já vai na 23ª fiada e em breve já estaremos a passar a parte das janelas.`
Pamba
Ahhh é verdade, ainda não dissemos, mas estamos todos bem e na esperança que vocês aí no nosso Portugalito também.
Na terça fomos visitar o bairro do Lonjuio (para quem conhece está o monte Ico ao fundo), na quarta o bairro da Pamba, na quinta o Eval Dungo e na sexta o Ulundo. O programa para as visitas foi atender às confissões em primeiro lugar, depois missa, almoço e, de seguida, reunião de Ondjango do centro para saber como decorre a vida comunitária de cada bairro. Todo o restante tempo foi dedicado às crianças e jovens com jogos de estimulação física e cognitiva independentemente das suas limitações, assim se procura sempre a inclusão e participação de todos.

Durante as nossas visitas tivemos a companhia do secretário do Ondjango do Centro do Uquende, o Isaac, e a mãe Carolina do Uquende também fez questão de nos acompanhar para nos apoiar na logística de algumas visitas.

Eval Dungo






Em todos os bairros na nossa receção e despedida fomos muito bem acolhidos com palmas e cânticos a acompanhar o trajeto do carro. As pessoas são muito atenciosas, mal desligamos o cavalinho (carro) já nos estão a oferecer a famosa cadeira com o belo copo de água. E toda a envolvência, a diversificada paisagem, o arco-íris de borboletas que se atravessam, as casas, a cor da terra, tudo, tudo é mágico.
Muito mais haveria a descrever, mas fica para a próxima… Vamos voltar já amanhã (15 de Junho) para o nosso Gungo, com destino ao Uquende, mas a semana será para percorrer alguns dos bairros do Centro do Chitonde.
Com muito carinho nos despedimos e já estamos a contar os dias para a chegada do nosso contentor.
Muito obrigada por nos acompanharem desse lado. Estamos juntos no mesmo caminho (ondjila)!

Saudações da Linha da Frente.
Ulundo

sexta-feira, maio 31, 2019

Saudações ao nosso Portugalito





Cá nos encontramos por estas terras longínquas, todos bem e com vocês no coração. Há algum tempo que não damos notícias, mas a vida aqui corre…
Desde a última publicação, tivemos pelo Uquende a continuar os trabalhos da capela e regressámos ao Sumbe a fim de estarmos presentes na peregrinação do 11 de Maio ao Santuário de Nossa Senhora Peregrina do Calulo. Participámos nas atividades propostas na paróquia de S. António do Libolo bem como na procissão noturna dedicada a Nossa Senhora de Fátima. Connosco foram alguns representantes dos Centros do Gungo e num local onde se concentram tantas pessoas é sempre uma alegria encontrarmos amigos de outras terras e travar novas amizades. Aproveitámos a viagem e, pelo caminho de regresso, parámos para conhecer a missão da Kibala com o seu internato masculino dirigido pelo padre Geovany e a equipa sacerdotal eu o acompanha e auxiliados pelas irmãs da Visitação. Um pouco mais à frente, fomos visitar os Frades Menores, conhecidos comos franciscanos que nos mostraram o seu trabalho e instalações e nos ofereceram muitas coisas novas para semearmos nas nossas hortas.
Regressámos ao Sumbe e, no dia seguinte, os representantes, o avô Filipe, o mano Humberto e a mana Sílvia regressaram ao Uquende. O Padre David e a mana Teresa com o mano Mário ficaram mais uns dias para tratar da logística: compras, manutenções, cartório e outras papeladas…
No Uquende deu-se continuidade aos trabalhos da nova capela, fomos buscar água, fomos lavar roupa ao rio, fizemos pão, preparamos atividades para o Dia Mundial da Criança (1 de Junho) e ainda deu tempo para umas brincadeiras com os miúdos e graúdos J jogamos aos professores e até aprendemos inglês.
No sábado, dia 18 de Maio, já com toda a equipa junta, subimos até à nossa Donga para o encontro e avaliação dos preparandos da Primeira Comunhão. Tivemos reunião do Conselho Permanente, onde, em conjunto com os catequistas visitadores dos Centros, preparamos o programa mensal das atividades da nossa missão. Também houve encontro de jovens onde se abordaram temas como o voluntariado, as motivações, a parábola do “jovem rico”, os mandamentos da Lei de Deus, etc. E ainda fomos presenteados com o testemunho da Irmã Filomena Mulungo das irmãs Clarissas. Ela é natural do Gungo, do bairro do Uquende, e está no Lubango onde além de uma vida dedicada à oração também fazem trabalhos agrícolas e de costura para a comunidade.
É importante referir ainda que a nossa serralharia na Donga também já está a pôr-se de pé e se começam a ver umas paredes. Depois são os trabalhos habituais: produzir mais blocos de BTC; apoiar a comunidade na saúde; cuidar dos animais (galinhas, cabritos, porcos); trabalhar na lavra e nas hortas (apanhámos um candimba – coelho – bem grande e a mãe Feliciana deu-nos melancias gigantes bem dociiiiiinhas); reparações de serralharia; idas ao rio para trazer água (nesta época do ano o capim – ervas – está bem alto, perdemo-nos de vista, mas ao pôr do sol forma no seio da paisagem montanhosa umas searas cor de rosa tão boniiiiiitas); aulas de condução com a mana Teresa; apoio escolar; etc.
Damo-vos a conhecer também que temos um novo membro na família Ondjoyetu, o caseiro Raimundo Rita que vem para dar uma mãozinha ao nosso tio Zé Ngombe.
E assim se passou mais uma temporada no Gungo. Neste momento estamos todos separados… A mana Teresa ficou na Donga para frequentar a escola, o mano Humberto e o avô Filipe ficaram no Uquende para continuar os trabalhos na capela, a mana Sílvia ficou no Sumbe com as meninas e o mano Mário e o Padre David foi para um retiro do Clero diocesano no Calulo. Mas sexta-feira já vamos voltar a reunir-nos ao subir para as nossas belas montanhas.
Bye bye
Abracinhos para todos aqui da malta da linha da frente.

terça-feira, maio 28, 2019

Reunião mensal de junho

Walanga! Boa tarde!

Relembramos que a próxima reunião mensal se realizará neste sábado, dia 1 de junho, às 21h00, no Seminário Diocesano de Leiria.
Entre outros assuntos, faremos o balanço da nossa participação na Feira de Maio, a avaliação da preparação e carregamento do contentor, e o ponto de situação da preparação da missão que se realizará em Pedrógão Grande nas férias de Verão. Continuaremos também a preparar os 20 anos do Grupo Ondjoyetu.  Regista já na tua agenda: celebração de duas décadas de Ondjoyetu nos dias 13-14-15 de setembro, no Mercado de Sant'Ana, em Leiria ;)
Estamos juntos.

terça-feira, maio 21, 2019

Maio, mês de trabalho missionário

Bom dia amigos quem tem visitado a feira de maio certamente não fica indiferente às  cores da barraquinha do grupo missionário ondjoyetu.

Na banca além da televisão com filmes da missão, encontramos ginguba torrada da missão, panos angolanos, agum artesanato e rifas. É também uma oportunidade de conhecer um pouco o projeto. Se ainda não visitou ainda tem até ao final da semana para o fazer. 


  

 Neste mês ainda dividimos o nosso tempo na continuação da preparação e carregamento do contentor para Angola.
depois de alguns meses a fazer caixas e listagem detalhada dos conteúdos. Compras de alguns artigos que a equipa missionária pediu, chegou o dia de carregar o contentor. Os dados no computador davam que tínhamos de fazer uma seleção pelo prioritário porque o volume era maior que a capacidade do contentor.
Sexta à tarde começou a carregar-se, todos os espaços têm que ser bem aproveitados e é sempre um trabalho que leva tempo, requer paciência e muita ginástica. Ainda foi preciso uma grande parte do diade sábado e aos poucos o monte das coisas não prioritárias foi diminuindo. Com a perícia de quem estava a concertar dentro do contentor aos poucos fomos percebendo que a "lata" se ajustou ao tamanha exacto da carga preparada. Foi necessário fechar de empurrão com o empilhador mas coube tudo.Agora é aguardar a viagem e se tudo correr como previsto a meados de junho será descarregado no Sumbe na Ondjoyetu (a nossa casa). Um bem haja a todos quantos contribuiram para que estes bens possam chegar à missão. 


domingo, maio 19, 2019

Jornal Ondjoyetu N.º 45

Saudações missionárias!

Apresentamos aqui a edição N.º 45 do jornal Ondjoyetu.
Para aceder ao jornal digital, clique, por favor, na imagem ao lado.
Na Feira de Maio, na nossa barraquinha, poderá encontrar o jornal em versão impressa.

A Páscoa na Donga e outras notícias da Missão de S. José do Gungo, às quais se juntam vários testemunhos de missão, entre outros, é o que descobriremos nesta edição do nosso jornal. Boas leituras ;)

A todos os nossos Mil & Tal Amigos, twapandula tchiwa. Muito obrigado.
Continuação de uma boa Páscoa e um abençoado mês de Maria!

terça-feira, maio 14, 2019

Carregamento de contentor para o Sumbe

Carregamento de contentor para Angola | Ano 2017
Desde há algum tempo que se encontra em preparação o envio de bens para a Missão do Gungo... e chegou a hora de os carregarmos no contentor que rumará a Angola. Para este processo, solicitamos a colaboração dos membros cativos, colaboradores e amigos do Grupo Ondjoyetu, conforme a disponibilidade de cada um.
O carregamento do contentor terá lugar em Santa Catarina da Serra na próxima sexta-feira, dia 17, a partir das 14h, e sábado, dia 18, a partir das 9h.
Morada: O carregamento será na empresa CVA - Construções Vieira Alves S.A., que se situa na rua de Santa Catarina N.º 92 - Pinheiria - Santa Catarina da Serra  | Google Maps: clique aqui.  

Para mais informações e/ou inscrição nos diferentes turnos, por favor contactar Adelino Serra (tlm. 963057318) ou o Grupo Ondjoyetu: ondjoyetu@gmail.com. Muito obrigado! Estamos juntos.

sexta-feira, maio 03, 2019

YESU WAPINDUKÁ

Pois é, estas semanas, por esta altura, são das mais trabalhosas e por essa razão as notícias do Gungo se têm atrasado, mas, em contrapartida, também são das mais gratificantes!
Bom, após a descida da equipa e a semana de trabalhos no Uquende com o avanço da construção da Capela, seguiu-se a celebração dos Ramos na Tuma. Eu (Humberto), mais uma vez, tive de me deslocar até à Tuma com um motoqueiro para me encontrar com o resto da equipa e continuar por aqui a missão. Desta vez calhou-me o motoqueiro ao qual chamam dono da picada! Adivinhem lá o seu nome... "Canosso", conhecido por dizer "Quem anda na picada devagar é que cai...". Depois de descer e tendo em conta as condições da picada, aquilo que tenho a dizer é que de facto ele tem o "Kit de Unhas" mesmo à medida para o Gungo!
Já na Tuma, depois de a equipa chegar (eu cheguei primeiro com o "Canosso", como é óbvio), foi altura de acalmar e descansar para preparar a celebração de Ramos, que se realizou no dia seguinte. Já no Domingo iniciou-se a procissão no meio do bairro em direcção à capela. Muitos "camungungos" de outros bairros deslocaram-se até lá para poderem celebrar eles também aquela Eucaristia. Após a Eucaristia houve tempo também para jogar uma "futebolada" e montar a janela oferecida pelos amigos da "Pêra" e da "Angovidro". Lá ficou montada a janela mais bonita de toda a Tuma!


Tempo de regressar ao Sumbe novamente para preparar a Páscoa. A permanência por lá foi de apenas dois dias e o tempo foi apertado, mas deu para ajustar mais alguns pormenores do material que vai vir no contentor e para celebrar a Eucaristia Crismal seguida de almoço de convívio com os missionários que estão na diocese do Sumbe. Foi muito positivo poder partilhar a nossa experiência e escutar a dos outros que por cá estão.
Inicialmente tínhamos ajustado o nosso plano para ir só o elefante picada acima, mas no dia da partida um Camungungo veio-nos comunicar que o catequista geral do "Culembe", o "Fernando Chiati", tinha falecido depois de estar adoentado no hospital. Pediu-nos então para levar o corpo para o Gungo, o que nos obrigou a alterar o plano para que o cavalinho subisse também. Na viagem pela picada tivemos de ajudar um "IFA" carregado de carvão a "descolar" das pedras. No caminho a picada também agarrou o cavalinho e ao insistir para sair da lama, o radiador rebentou. Um contratempo que tivemos de resolver à pressão a altas horas da noite. (Valeu-nos o silicone que a "Sika" nos deu para improvisar que por sorte estava na mala, mais uma lição aprendida).

Já na Donga, depois de uma noite curta de sono os camungungos começaram a chegar. Ao fim de pouco tempo já eram imensos. Não houve mãos a medir para as consultas, para as confissões, para os pedidos de folhas em branco e para as fotocópias. À noite celebrámos a Última Ceia do Senhor com o rito do lava-pés. Na sexta-feira Santa a Via Sacra começou na rua mas teve de acabar na capela, porque a chuva e o vento apareceram também para celebrar. Desta vez o nosso Jesus Cristo foi o Paulo da Chitiapa! Ao cair da noite celebrou-se a Paixão do Senhor com adoração da Cruz.




No Sábado, dia 20 de Abril, foi o dia em que a oração da manhã teve mais gente desde que eu cá estou. Até teve de ser celebrada na rua, tal era a multidão. Houve também o encontro de jovens em que foi possível perceber qual era a realidade do Gungo no que toca à religião, à vida familiar e à sexualidade na juventude que, a maioria das vezes é precoce e dá origem a gravidezes não desejadas. A mana "Sírbia" e a mana "Teresa" encarregou-se da pastoral da criança com as mamãs dos bairros do Gungo que são responsáveis pelo acompanhamento das famílias com recém-nascidos. No decorrer do dia foi necessário abastecer as cisternas com idas do nosso elefante ao rio que, dada a quantidade de gente que por lá estava, esvaziaram em pouco tempo. Nesse mesmo dia instalámos o modem novo no sistema Infrasat (Telefone público de satélite da Donga) que chegou a nós através de uma equipa que já lá tinha estado e teve de descer para resolver o problema no Sumbe. Também eles tiveram peripécias na picada... Bom, o que interessa saber aqui é que o nosso telefone na Donga está como Jesus Cristo, ressuscitado! À noite celebrou-se a Vigília Pascal com 76 baptismos e que contou com cerca de 800 pessoas a celebrar. Como habitual, depois da Vigília há pulos e danças para levantar pó com fartura. É aí que os dançarinos do Gungo são postos à prova. Eu aproveitei o balanço e pus-me a dançar com eles noite dentro. Quando me deitei já eram 2:00 da manhã. Não há palavras que descrevam aquele momento e infelizmente fotografias também não.









No Domingo de Páscoa celebraram-se 47 baptismos, 7 casamentos e readmitiram-se 8 penitentes. É uma alegria poder contar com tantos Camungungos no caminho Cristão. Logo após a celebração Eucarística o zumbido das motas começou a ouvir-se e em menos de um ápice, todos desapareceram.


Dados os contra-tempos a que a equipa missionária está sujeita na Páscoa, decidimos permanecer a segunda-feira na Donga para finalizar alguns assuntos, um dos quais as medidas e fotografias da cisterna de recepção de águas para o projecto da água. Na terça-feira foi dia de regresso ao Sumbe por onde ficámos até ao Domingo de Pascoela.
Deslocámo-nos nesse mesmo dia para o Ival Guerra para celebrar a Eucaristia e para reunir o conselho permanente para afinar alguns pormenores. De seguida fomos para Benguela para pernoitar nas instalações do amigo Miguel Pereira da Terras Centro. Aproveitámos este reencontro para partilhar os projectos em execução na Donga e para aproveitar os preços de Benguela em alguns artigos.
Regressámos ao Sumbe nesta Terça-feira, dia 30 de Abril, onde permanecemos até hoje. Amanhã, dia 03 de Maio subiremos no Elefante para o Uquende para avançar os trabalhos na capela. Desceremos novamente no decorrer da semana que vem já com delegados do Gungo para a procissão diocesana do Calulo.
Tukasi Kumosi,
Humberto Ribeiro

sexta-feira, abril 26, 2019

Reunião mensal de maio

https://www.facebook.com/
A próxima reunião mensal realizar-se-á no sábado dia 4 de maio, às 21h00, no Seminário Diocesano de Leiria. Entre outros assuntos, faremos o ponto de situação da preparação de várias ações missionárias: carregamento do contentor para Angola, missão das férias de Verão em Pedrógão Grande e celebração dos 20 anos do Ondjoyetu. 
Aproveitamos ainda para informar que, à semelhança dos anos anteriores, também neste ano o grupo missionário estará presente na Feira de Maio de Leiria, que se inicia no dia 30 de abril e terminará no dia 26 de maio. Procurem a nossa barraquinha e levem amigos. "Tamos na vossa espera" :)
Continuação de uma Santa Páscoa! Yesu wapinduka! Jesus ressuscitou! E vive entre nós. E em nós.

terça-feira, abril 23, 2019

5.ª sessão de formação FEC

A 5.ª Sessão de Formação FEC, subordinada ao tema Desenvolvimento Humano e Dádiva Cristã, realizar-se-á nos dias 18 e 19 de maio, em Aveiro, no Seminário de Santa Joana Princesa.
As inscrições poderão ser feitas até às 12h00 do dia 9 de maioPara esse efeito, preencha por favor o respectivo formulário de inscrição, clicando aqui.
Para algum esclarecimento adicional ou apoio, poderá contactar o Grupo Ondjoyetu ou enviar um e-mail para catarina.antonio@fecongd.org (Catarina António - FEC).

Apresenta-se a seguir o programa detalhado: 

Tema: Desenvolvimento Humano e Dádiva Cristã
Local: Seminário de Santa Joana Princesa - Aveiro

Sábado – 18 de maio
10h00: Acolhimento
10h30: Como promover o Desenvolvimento Humano?
12h00: Pausa
12h30: Como promover o Desenvolvimento Humano? (continuação dos trabalhos)                  
13h00: Almoço (partilhado)
14h30: E como cristãos?
15h30: Pausa
15h50: E como cristãos? (continuação dos trabalhos)   
17h00: Eucaristia de Envio
20h00: Jantar
21h00: Testemunho Missionário  
    
Domingo – 19 de maio
08h30: Pequeno-almoço
09h15: De onde nos vem o que podemos dar?
11h15: Pausa
11h45: De onde nos vem o que podemos dar? (continuação dos trabalhos) 
13h00: Almoço             


Formadoras convidadas
Ana Leite e Isménia Silva | Leigos para o Desenvolvimento

Testemunho
A definir

Equipa Plataforma Voluntariado Missionário 
Catarina António | FEC | 936 245 545



Inscrição na Formação FEC – 1 sessão = 10€; inscrição anual (inclui 5 sessões) = 20€
Estadia pensão completa em camarata = 24€ 
Estadia pensão completa em quarto duplo = 41€ 
Estadia pensão completa em quarto individual = 46€
Só dormida com pequeno-almoço (1 noite - camarata) - 8
Só dormida com pequeno-almoço (1 noite - quarto duplo) - 25
Só dormida com pequeno-almoço (1 noite - quarto individual) - 30   
Só refeições (preço por refeição) - 8€  
(o almoço do primeiro dia - sábado, dia 18 - será partilhado, sendo todos convidados a contribuir com algo)

http://www.fecongd.org/

Boa formação!