quarta-feira, novembro 28, 2018

TWAPANDULA!


De 1 a 28 de novembro foi-me dada a graça de conviver de perto com a equipa missionária da vanguarda na missão de S. José do Gungo, na diocese do Sumbe, geminada com a diocese de Leiria-Fátima. De momento, de Leiria-Fátima, está o Pe. David Nogueira e os missionários leigos Sílvia Antunes, da paróquia do Souto da Carpalhosa e Carlos Santos, das Chãs, paróquia de Regueira de Pontes. Da diocese do Sumbe estão em missão em Leiria-Fátima os padres Rogério Chitapa, nas paróquias de Matas e de Espite e o Pe. Lucas Mendes na Maceira.






Uma coisa é ver imagens e ouvir falar; outra é tocar, sentir, cheirar, viver de perto a realidade. Centrados em Cristo e inspirados pelo Espírito Santo, os membros da equipa missionária e os seus colaboradores mais próximos alimentam a sua fé nos momentos de oração da manhã, da noite e na eucaristia que é sempre um alegre encontro com Cristo e com os irmãos vindos dos muitos bairros, dispersos pelas montanhas do Gungo. Depois do “mata-bicho” (pequeno almoço) são distribuídas as tarefas e, cada um, segundo os seus talentos, dá o seu contributo, com dedicação e amor. No centro da Donga, por exemplo, faz-se de tudo um pouco: a sementeira do milho e do feijão (agora é o tempo das lavras), a soldadura de peças de motos e do tractor, a moagem do milho, o telhado da casa do gerador, a mecânica e eletricidade, a descasca do milho e da ginguba (amendoim), o cuidado da horta e dos animais (dos porcos, cabritos e galinhas), a construção da nova casa de acolhimento para os catequistas, as consultas aos doentes, a pastoral da criança, a cozinha do “Chefe” avô Filipe; o fabrico de blocos de terra comprimida (BTC), as formações de jovens, catequistas, casais; as explicações das várias matérias da escola, as sessões de cinema… Esta é apenas uma lista das muitas actividades realizadas pelos missionários, por amor a Cristo e aos irmãos, com muita generosidade, alegria, entusiasmo, uma boa dose de humor, muito sacrifício e toneladas de paciência. Basta pensar nas horas de picada para chegar à Donga e não só…pois com a reparação da estrada nacional 100, grande parte do percurso entre Luanda e Benguela faz-se por picada, por causa dos trabalhos em curso.
Na vida também precisamos de lazer. Numa saída da equipa missionária foi-me dada a possibilidade de conhecer de passagem a cidade de Benguela, do Lobito, do Lubango e do Namibe e de passar uma tarde junto de umas belas quedas de água, nas Cachoeiras do Binga, numa tarde de avaliação e ao mesmo tempo de convívio.
Agradeço às dioceses de Leiria-Fátima e do Sumbe e aos seus respectivos pastores D. António Marto e D. Luzízila Kiala e à equipa missionária da missão de S. José do Gungo – Pe. David Nogueira, mana Teresa, avô Filipe, mana Sílvia e mano Carlos e seus colaboradores mais próximos por esta experiência na vanguarda da missão.
Que Deus a todos abençoe e conceda todas as graças e meios necessários para continuarem a servir o povo disperso pelas montanhas do Gungo. TWAPANDULA!

Pe Joaquim Domingos Luís

segunda-feira, novembro 19, 2018

Boa missão, Irmã Nancy!

Saudações fraternas!

A Ir. Nancy não vai só:
leva ao seu lado Nossa Senhora de Fátima.
E, na mochila às costas, leva a imagem desta.
Oferecida pelos seus amigos Ondjoyetu. Com muita Gratidão.
Ontem, a nossa querida Irmã Nancy deixou Portugal rumo ao México para responder a um novo chamamento de Deus: uma outra missão a espera, desta vez no âmbito da Pastoral Vocacional, na sede da sua congregação, as Filhas de Santa Maria de Guadalupe.

Depois de ser missionária em Angola, a Ir. Nancy chegou a Portugal no dia 22 de setembro de 1998, para a sua primeira missão na diocese de Leiria-Fátima. Durante 10 anos esteve integrada na comunidade das Irmãs Filhas de Santa Maria de Guadalupe, na cidade da Marinha Grande, tendo regressado em julho de 2013 para a sua segunda missão por terras lusas. Em ambas as missões, a Ir. Nancy desenvolveu a sua acção na Pastoral Social (visita aos doentes e idosos), Juventude Operária Católica, Catequese, celebração da Palavra nos lares, atendimento de cartório, entre outros serviços.Também colaborou com outras comunidades e em diversas actividades da diocese. Além disso, foi, com o Pe. Vítor Mira, co-fundadora do nosso grupo missionário, em agosto de 1999, participando desde aí na coordenação e nas diversas actividades Ondjoyetu. No ano 2000, esteve durante um mês em Angola, integrada na primeira equipa missionária do projecto ASA - Acção Solidária com Angola. A partir de 2002, participou assiduamente na missão anual realizada nas férias de Verão - a Missão no Alentejo, e, neste presente ano, em Figueiró dos Vinhos e Pedrógão Grande.


Damos graças a Deus pela vocação da Ir. Nancy e pelo tempo de missão que viveu no nosso país. Pela sua alegria, humildade, simplicidade, generosidade, dedicação a Deus e aos outros, pelo seu testemunho de vida, por tudo o que fez na família Ondjoyetu, por tudo o que é, MUITO OBRIGADO, Irmã Nancy. Muitas felicidades e muitas bênçãos de Deus para esta sua nova missão. E aqui fica a nossa profecia: não há duas (missões em Portugal) sem três :) Hasta pronto! Estamos juntos.

O Grupo Missionário Ondjoyetu


Sempre acreditei que Deus tinha e tem um PLANO DE AMOR para todos e para mim também; tinha de encontrá-lo, abraçá-lo, amá-lo e segui-lo, sempre com espírito de Fé e Amor, de entrega ao Irmão, sem distinção de raça, de cor, porque Deus está nele e nele devo amá-Lo.
Irmã Nancy Ortiz Casas

domingo, novembro 11, 2018

Animação missionária no Centro de Estudos de Fátima - CEF

No contexto do Outubro Missionário, recebemos o testemunho da professora Maria da Graça Fevereiro sobre a animação missionária realizada em turmas de EMRC, no Centro de Estudos de Fátima – CEF.

Destacamos a participação dos Ondjoyetu Pe. Joaquim Domingos Luís, director do Serviço de Animação Missionária (SAM) de Leiria-Fátima, e Ir. Susana Salinas, da Congregação Filhas de Santa Maria de Guadalupe.

Aqui fica a partilha desse testemunho:
Inserida no mês missionário, realizou-se durante o mês de outubro, no Centro de Estudos de Fátima – CEF, a sensibilização para a missão e, este ano, respondendo também ao convite do Papa Francisco, que declarou o mês de outubro de 2019 “Mês Missionário Extraordinário». A iniciativa do Papa tinha por fim celebrar o centenário da Carta Apostólica Maximum Illud, de 30 de novembro de 1919, do Papa Bento XV, com o objetivo de despertar para uma maior consciência da missão e dar um novo impulso à transformação missionária da vida e da pastoral. Para isso, a Conferência Episcopal Portuguesa publicou uma Nota Pastoral para o Ano Missionário e o Mês Missionário Extraordinário, com o tema “Todos, Tudo e Sempre em Missão”, que decorre desde outubro de 2018 até outubro de 2019.

Assim, neste contexto de celebração e respondendo ao convite à missão, este ano o CEF recebeu vários missionários, nomeadamente, o P. Joaquim Domingos, SVD, responsável diocesano pela animação missionária nas escolas. E o P. Joaquim veio acompanhado por algumas religiosas: a Ir.ª Conceição Pena, das Irmãs Franciscanas de Nossa Senhora das Vitórias; a Ir.ª Adelaide, das Irmãs de S. José Cluny; as Irmãs Luciana, de Timor, e Rosa, das Escravas da Santíssima Eucaristia e da Mãe de Deus; e ainda a Ir.ª Susana, do México, das Filhas de Santa Maria de Guadalupe, que se encontram na Marinha Grande. Este grupo de missionários foi-se alternando pelas várias turmas do 9.º ano e das turmas do Ensino Secundário.

Foi uma partilha rica de experiências que não terá deixado de lançar sementes para a missão, no coração dos jovens que participaram nas ações de sensibilização missionária, realizadas durante as aulas de EMRC. De salientar que a turma C do 9.º Ano aprendeu o hino missionário, Portugal vive a missão, do compositor P. António Cartageno, surpreendendo e presenteando os animadores das ações com uma perfeita execução deste Hino! Obrigada a todos pela partilha!

Maria da Graça Fevereiro


Lembramos que o SAM está disponível, ao longo de todo o ano, para sessões de sensibilização missionária em paróquias, catequeses e escolas. Para esse efeito, envie, por favor, e-mail para animissionaria.leiria@gmail.com. Obrigado.

segunda-feira, outubro 29, 2018

NOTICIAS "FRESCAS" DA LINHA DA FRENTE

No passado dia 19 voltámos a subir as montanhas do Gungo onde fomos até ao Chitonde, ao bairro Dula. Fomos acolhidos pelos habitantes locais com os seus cânticos de boas vindas que até nos fazem ficar emocionados ao ver tanta alegria naqueles rostos de felicidade por uma coisa tão pequena. Permanecemos neste bairro até domingo. Depois da santa missa arrumámos a trouxa e partimos de novo para a sede da missão, a Donga, onde após a queda de alguma chuva na terra e nas nossas costas começámos algumas sementeiras na nossa horta junto da Missão.

A nossa vida na Missão, além de praticarmos a religião, somos também o pronto-socorro dos habitantes locais, desde os tratamentos de doenças, aos aconselhamentos para o matrimónio, reparações de charruas, reparações de motas dos locais, manutenção do cavalinho branco, da mula e do elefante, ensinamentos de vida e escolares aos mais jovens, fazemos de tudo um pouco para o bom funcionamento da missão.


No dia 25 descemos ao Sumbe, depois de umas horas de saltos e barrigadas de poeira proporcionadas pelas estradas, ah! enganei-me! “picadas”!, preparámos a nossa vinda à capital angolana. Mas antes ainda fomos ao peixinho no Quicombo. Dia 27, rumámos então para Luanda a fim de trazer a nossa amiga e companheira Vanda ao aeroporto para o seu regresso a Portugal. No caminho parámos num ponto obrigatório, o Miradouro da Lua e fomos ainda ver o artesanato local. Estaremos estes dias em Luanda esperando o nosso amigo Padre Joaquim Luís que estará connosco o próximo mês de Novembro e vem trazer um pouco de ar fresco, uma vez que aqui está calor que chegue.

Nestes dias em Luanda estamos a tratar da compra de alguns alimentos, tratar de alguns assuntos relacionados com a Missão para, de novo, regressarmos às montanhas do nosso Gungo onde iremos permanecer mais uns dias para tentarmos cumprir a missão que nos foi confiada por Deus. A nossa estadia em Luanda, como acontece muitas vezes, é nas instalações do nosso amigo Filipe Santos, onde somos sempre muito bem acolhidos, desta vez com as honras da sua filha Ana e seu genro sr João. O nosso obrigado.
A Linha da Frente

Reunião mensal de novembro

Missa de acção de graças pela missão da Ir. Nancy em Portugal | 20/10/2018
A próxima reunião mensal realizar-se-á neste sábado, dia 3 de novembro, às 21h00, no Seminário Diocesano de Leiria. Entre outros assuntos, faremos o balanço do Outubro Missionário e ouviremos o testemunho da nossa missionária Vanda Marques, que já está de volta a Portugal depois de um mês de missão em Angola. Esta será também mais uma oportunidade para estarmos com a nossa Irmã Nancy, que partirá em missão para o México no dia 18 de novembro. Seguir-se-á à reunião o habitual convívio com chá/lanche partilhado.

Para um cristão, não é possível imaginar a própria missão na terra sem a conceber como um caminho de santidade, porque «esta é, na verdade, a vontade de Deus: a [nossa] santificação» (1 Ts 4, 3). Cada santo é uma missão; é um projeto do Pai que visa refletir e encarnar, num momento determinado da história, um aspeto do Evangelho. Papa Francisco, Gaudate et Exsultate, 19

sábado, outubro 27, 2018

Convívio com a Irmã Nancy

No sábado dia 20 celebrou-se uma missa de acção de graças por todo o trabalho que a irmã Nancy tem feito em Portugal e particularmente no grupo missionário. 
A superiora da Congregação chamou-a para outra missão no México e quisemos partilhar com ela a alegria que tem sido podermos caminhar juntos ao longo destes anos. 

À missa seguiu-se um alegre convívio onde além da comida houve espaço para umas músicas e até um pézinho de dança. Este momento foi o espelho do que tem sido a acção dela connosco, uma presença cristã mas com a alegria de o ser no meio de sorrisos e abraços.  
Muitas felicidades para o novo trabalho que irá iniciar em breve.
Estamos juntos

terça-feira, outubro 23, 2018

Vigília missionária

Foi no passado dia 19 que, na Sé de Leiria, a diocese se uniu para rezar pelas missões. Este momento de oração foi presidido pelo bispo de Leiria-Fatima que deixou o desafio para que todos se dediquem à Missão, na linha da frente ou do lado de cá, pois todos somos convidados a ser testemunhas do amor de Cristo.
Um dos pontos altos foi o testemunho da nossa mana Andreia que, emocionada, partilhou a sua experiência de Missão no Gungo e a alegria com que viveu a concretização de um sonho.
A vigília terminou com envio de 4 jovens:
Carolina Oliveira, Inês Moreira e Mónica Rocha, que irão por um mês, e Humberto Ribeiro, que lá estará por seis meses.

Que o abraço fraterno dado pelo nosso Bispo aos jovens enviados também toque os nossos corações e nos interperle a cumprir a missão que nos foi confiada.
Estamos juntos*


domingo, outubro 21, 2018

Sessão de apresentação do Grupo Missionário Ondjoyetu




Já pensaste em dar algum tempo da tua vida ao Voluntariado Missionário? É agora o momento! 

Vem conhecer o Grupo Missionário Ondjoyetu, a sua acção missionária em Portugal e em Angola, a sua história, o caminho realizado, as dinâmicas de missão, os desafios actuais e futuros, e vibra com os testemunhos de missionários que deram algum tempo da sua vida à Missão.

A próxima sessão de apresentação realizar-se-á no dia 10 de novembro, às 21h00, no Seminário Diocesano de Leiria.

Este encontro termina com a possibilidade de cada um definir o grau de pertença e colaboração que pretenda, dentro da sua disponibilidade e boa vontade.

Se te sentes interpelado pela vocação missionária e se queres integrar o Grupo Ondjoyetu ou simplesmente conhecer o trabalho por ele desenvolvido em Portugal e Angola, vem ter connosco e traz amigos. 

Marca já na tua agenda!
'tamos na tua espera ;) 

sexta-feira, outubro 19, 2018

E chegámos ao Gungo

No passado dia 5 de Outubro, subimos até ao nosso Gungo rumo à famosa Missão de São José. Donga é o bairro onde se concentra o coração da missão. Após uma viagem de mais de 8h de estrada, desvios, lombas, buracos e mais buracos, e já noite cerrada, tínhamos a sensação de chegar à terra prometida. O povo a entoar o cântico de boas vindas e a alegria com que nos receberam, não dá para exprimir o impacto que teve em cada um de nós.


Os dias passaram e foram várias as atividades desenvolvidas. Apresentações à parte, fizeram-se consultas, ajudámos as crianças nos estudos, procederam-se às merecidas manutenções do “cavalinho” e do “elefante”, fizeram-se mais series de estudo dos blocos de BTC, ajudámos a comunidade nas suas atividades como ir à lenha e água, fizemos pão, reunimos com os catequistas, plantámos as coisinhas vindas de Portugal, e entre muitas outras coisas, a mais importante, partilhámos amor, trocas de sorrisos e muitas brincadeiras.

A missão continua e seguimos até ao Uquende para retomar os trabalhos de construção da capela. Mais uma vez a receção principalmente pelas crianças, derrete-nos o coração. São tantas, tantas… Voltando ao trabalhinho: a capela antiga de adobes já foi destruída e já se iniciou a preparação para a nova em BTC, também já foi construída uma provisória; mais consultas; fomos também buscar pedra para fazer brita; mais brincadeiras e cantigas que alegram miúdos e graúdos; também projetámos filmes de animação à noite satisfazendo as gargalhadas mais tímidas; apoiámos na pastoral da criança; etc.

Regressámos ao Sumbe no dia 15 e mais tarefas se seguiram, destacando as idas ao mercado que são sempre um rancho de descobertas e a ida à Conda, local onde vamos buscar a água para beber.
Na próxima sexta-feira (Ops hoje mesmo!) voltamos à nossa picada, desta vez rumo ao Chitonde.

Haveria tanto a dizer, tantas aventuras e emoções e experiências e, e… os que já por cá passaram sabem e devem estar agorinha mesmo recordando os balões que fazem a festa, o gelado de múcua, as meninas da casa, a criançada perdidinha de sono no fim do Terço, os “cocares”, … E os que não, não dá para descrever tamanha imensidão que nos prende o olhar e o coração.

Para terminar, havia tanto nome a mencionar para agradecer. Por isso, a todos os que nos acompanham e nos proporcionaram este dia, o nosso mais carinhoso e humilde OBRIGADO.
Tukasi Kumosi
(Estamos juntos)
Os novatos da linha da frente.

quarta-feira, outubro 17, 2018

Nota de pesar

Eu sou a ressurreição e a vida. (Jo 11, 25)
Vimos por este meio dar a conhecer que faleceu a mãe do nosso missionário Sérgio Santos.

Ao nosso amigo Sérgio e a toda a família enlutada endereçamos as nossas sentidas condolências e muita coragem. Unimo-nos a vós neste tempo de dor, rezando pelo eterno descanso de Maria de Fátima, que Deus acolhe no seu seio de amor, e pelo consolo de todos aqueles que choram a sua partida. 
O nosso abraço forte e amigo. Estamos juntos.

O funeral da mãe do Sérgio será amanhã, dia 18 de outubro, às 11h30, na capela de Alto dos Crespos - Pombal.

O Grupo Missionário Ondjoyetu

terça-feira, outubro 16, 2018

Jornal Ondjoyetu N.º 43

Saudações missionárias!
Aqui está a edição N.º 43 do jornal Ondjoyetu.
Para aceder ao jornal digital, clique, por favor, na imagem ao lado.

A missão deste verão em Figueiró dos Vinhos e Pedrógão Grande, a visita pastoral de D. Luzizila Kiala e outras notícias da Missão de S. José do Gungo, o Ano Missionário 2018-2019, testemunhos de missão, entre outros, é o que descobriremos nesta edição do nosso jornal.

A todos os Mil & Tal Amigos, twapandula tchiwa. Muito obrigado.

O Grupo Missionário Ondjoyetu

sexta-feira, outubro 12, 2018

Calendários Ondjoyetu + Formação FEC


Calendário Ondjoyetu


Calendário das Sessões de Formação da Rede de Voluntariado Missionário - FEC
(para aceder ao folheto na íntegra e em pdf, clique aqui)

sexta-feira, outubro 05, 2018

Agarra o desafio da Missão!

A Conferência Episcopal Portuguesa decidiu que, de outubro de 2018 a outubro de 2019, Portugal viverá um intenso Ano Missionário. Este propósito tem como base a decisão do Papa Francisco de convocar para o mês de outubro de 2019, na Igreja Universal, um Mês Missionário Extraordinário, no contexto do centenário da Maximum Illud, uma encíclica missionária, publicada pelo papa Bento XV em 1919. 

A Nota Pastoral da Conferência Episcopal Portuguesa para este ano missionário com o título “Todos, tudo e sempre em Missão” apela a um maior vigor missionário em todas as dioceses, paróquias, comunidades e grupos eclesiais, desde os adultos aos jovens e crianças. Toda a Igreja se deve sentir em estado permanente de missão, pois ela existe para evangelizar. A missão renova a Igreja, revigora a sua fé e identidade, dá-lhe novo entusiasmo e novas motivações. É dando a fé que ela se fortalece.

O Papa Francisco faz algumas propostas para se preparar e viver o mês missionário extraordinário, mas que podem servir-nos todos os dias: 1 – Encontro pessoal com Jesus Cristo vivo na sua Igreja: Eucaristia, Palavra de Deus, oração pessoal e comunitária. 2 – Testemunho: os santos, os mártires da missão e os confessores da fé, que são expressão das Igrejas espalhadas pelo mundo. 3 – Formação: bíblica, catequética, espiritual e teológica sobre a missão. 4 - Caridade missionária: ajuda material para o imenso trabalho da evangelização e da formação cristã nas Igrejas mais necessitadas.

Para todos sentirmos este imperativo missionário e o de que somos chamados por vocação a sermos universais, é feita a proposta de irmos até outra paróquia, outra diocese, outro país em missão e deste modo tomarmos consciência de que temos responsabilidade não só sobre a nossa comunidades, mas sobre o mundo inteiro.

Este ano, na diocese de Leiria-Fátima, para celebrarmos o outubro missionário, vamos centrar a nossa atenção na Vigararia de Leiria com algumas actividades de animação missionária nas respectivas paróquias, seguindo um programa acordado com os párocos. Um momento importante na celebração do mês missionário é a vigília missionária, que terá lugar no dia 19 de outubro, sexta-feira, às 21h00, na Sé de Leiria, sendo presidida pelo D. António Marto. Nesta noite de oração, realizar-se-á o envio de quatro jovens voluntários Ondjoyetu para a diocese do Sumbe, em Angola: Carolina Oliveira, Inês Moreira e Mónica Rocha, que irão em missão por 1 mês, e Humberto Ribeiro, que irá em missão por 6 meses. É nosso desejo que os jovens participem activamente nesta celebração. Na verdade, o tema da mensagem do Papa Francisco para o Dia Mundial das Missões é dirigido particularmente aos jovens, pois em outubro se celebra o Sínodo que lhes é dedicado: “Juntamente com os jovens, levemos o Evangelho a todos.” Na mensagem, o Papa Francisco afirma que a fé cristã permanece sempre jovem, quando se abre à missão que Cristo nos confia, e acrescenta que a missão revigora a fé. Convida os jovens a não terem medo de Cristo e da Igreja, pois neles está o tesouro que enche a vida de alegria e partilha a sua própria experiência: “[…] graças à fé, encontrei o fundamento dos meus sonhos e a força para os realizar.” Convida os jovens a olharem para as testemunhas da fé do passado, para aprenderem na escola dos santos, que nos abrem para os vastos horizontes de Deus. Pelo Batismo também os jovens são membros vivos da Igreja e, juntamente com os outros, têm a missão de levar o evangelho a todos. A união na fé e no amor ao próximo são um modo de construir pontes entre as diferentes gerações. A necessidade e urgência da missão continua a ser uma realidade. Há ambientes humanos, culturais e religiosos ainda alheios ao Evangelho de Jesus e à presença sacramental da Igreja. É a missão às periferias extremas, não só geográficas, mas existenciais, para onde são enviados os discípulos missionários, com a certeza de que Jesus está sempre com eles (Mt 28, 20; Act 1, 8). “A missão até aos últimos confins da terra requer o dom de nós próprios na vocação que nos foi dada por Aquele que nos colocou nesta terra (cf. Lc 9, 23-25); para um jovem que quer seguir Cristo, o essencial é a busca e a adesão à sua vocação.” O encontro com Cristo nas várias realidades paroquiais e nas experiências de voluntariado missionário podem ajudar os jovens a decidir-se pelo dom total deles mesmos como missionários para a vida toda.

O mês de outubro será mais uma oportunidade para os jovens cristãos de todas as idades serem discípulos missionários cada vez mais apaixonados por Jesus e pela missão até aos últimos confins da terra.


No dia 29 de setembro, partiram para o Sumbe o Pe. David Nogueira, o Carlos Santos, a Sílvia Antunes e a Vanda Marques, membros do grupo missionário Ondjoyetu. Agradecemos a Deus e às suas famílias pela sua generosidade em quererem partilhar algum tempo das suas vidas com os mais necessitados.

Não esqueçamos: missão é de coração a coração; é partilhar com o outro a alegria de sermos discípulos missionários.

Não nos esqueçamos de rezar pela obra missionária da Igreja, pelos cristãos perseguidos, pelos que na vanguarda, por vezes no meio de muitas dificuldades, anunciam a Boa Notícia a todos os confins da terra. Sejamos generosos na partilha com os mais pobres. Lembro que o ofertório do Dia Mundial das Missões é para as Obras Missionárias Pontifícias, que farão a distribuição dos donativos pelas Igrejas mais necessitadas. Procuremos com a nosso testemunho de vida atrair para Jesus: “Haverá outra maneira de evangelizar que não seja a de partilhar com o outro a nossa experiência de Deus?” (Paulo VI)

Que Maria, Rainha dos Apóstolos, Sta. Teresinha do Menino Jesus, S. Francisco Xavier, S. Pedro Claver, o Beato Paulo Manna (fundador da Obra da União Missionária) e todos os grandes missionários e missionárias que estão junto de Deus intercedam pela obra missionária da Igreja e nos ajudem a todos a sermos verdadeiros discípulos missionários.

Pe. Joaquim Domingos Luís

quinta-feira, outubro 04, 2018

O sonho “sonhado” durante o último ano está a acontecer


E finalmente o dia chegou!
No dia 29 de Setembro partimos da diocese de Leiria- Fátima rumo a Lisboa, ao avião que nos iria trazer à terra que está no coração de todos os missionários Ondjoyetu – Angola. Aqui chegaremos ao Sumbe, ao Gungo, à Donga... Que antes eram apenas nomes e entretanto passarão a ser locais “nossos”.
No aeroporto deparámo-nos com o pesadelo do peso das malas, mas com trocas e baldrocas acabámos por conseguir arrumar e trazer quase tudo. Numa correria desenfreada pelos corredores do aeroporto chegámos ao terminal 44 e, “ops!”, era o 42... volta atrás! E com o coração a pular embarcámos no avião da TAP que nos trouxe a esta terra tão desejada.
Era noite quando aterrámos em Angola, não podíamos acreditar. Ao sair do avião sentimos um abraço caloroso, o calor africano. E, em Luanda, fomos acolhidos pelo Sr. Filipe Santos, nosso compatriota, que nos alojou em sua casa para os primeiros dias.
Durante a estadia em Luanda, tratámos dos preparativos para a ida para o Sumbe aproveitando para fazer alguns recados. Ao provermo-nos de reforços, foram-nos oferecidas muitas, muitas caixas de pudim de baunilha que fomos partilhar com as Pequenas Irmãs da Sagrada Família. Elas têm uma escola para cerca de 2000 mil crianças, para além do apoio familiar e de saúde que dão à comunidade. Deparámo-nos também com alguns imprevistos que acabámos por superar, mas a missão é lidar com isto mesmo, imprevistos e improvisos.
Em resultado de alguns atrasos partimos para a nossa casa do Sumbe. O dia já ia longo o que impossibilitou a tradicional fotografia no Miradouro da Lua. Com a estrada à nossa frente intercalada com pedaços de picada, seguimos a velocidade cruzeiro. Salto para um lado, encontrão para o outro… CHEGÁMOS AO SUMBE!
À nossa espera estava o Sr. António Batata, nosso guarda e o Kiko, o nosso cão, que não cabia de alegria ao ver o amigo Pe. David. À chegada foi-nos dito: “Bem vindos à Ondjoyetu! Esta é a vossa casa”. E isto é verdadeiramente o que sentimos, esta é a nossa casa e esta é também a nossa família.
Durante a estadia no Sumbe estivemos a fazer melhoramentos na casa, a arrumar e a preparar tudo para a subida à Donga na próxima sexta-feira.
Hoje fomos recebidos pelo Sr. Bispo do Sumbe, D. Luzízila Kiala, que nos desejou uma boa estadia e uma boa missão.
Ao sair de casa e ao desejar “Bom dia”, a palavra que mais ouvimos é “Obrigado”. Obrigado é a palavra que temos no nosso coração.OBRIGADO às manas da casa por nos acolherem, OBRIGADO às crianças que nos fazem sorrir em cada encontro acenando, OBRIGADO ao povo do Sumbe.
Os novatos da Linha da Frente
(Carlos, Vanda e Sílvia)

terça-feira, outubro 02, 2018

Reunião mensal de outubro

A próxima reunião mensal realizar-se-á neste sábado, dia 6 de outubro, às 21h00, no Seminário Diocesano de Leiria. Entre outros assuntos, faremos o balanço das Jornadas Missionárias e o ponto de situação da preparação das diversas actividades a realizar neste presente mês. Não faltarão ainda os momentos de convívio e de oração.

Para todos, um bom Outubro Missionário, com a intercessão de Santa Teresinha do Menino Jesus e de São Francisco Xavier, padroeiros das Missões.

Ó Jesus, meu amor! Encontrei finalmente a minha vocação. A minha vocação é o amor. Santa Teresinha do Menino Jesus

sexta-feira, setembro 28, 2018

Jornadas Missionárias 2018

Mais uma vez, estando eu nas jornadas missionárias com o grupo missionário a que pertenço, o grupo missionário Ondjoyetu, tento esquivar-me dos trabalhos, mas calha-me sempre qualquer coisa. Desta vez calhou-me dar testemunho da vivência passada nos dois dias em que estive nas jornadas. É sempre uma alegria podermos partilhar com os outros grupos e com as outras pessoas a nossa alegria! Afinal de contas, qual é o sentido da vida? Ser feliz! 
Bom, tudo começou no sábado, dia 15, com cerca de 250 presentes, logo pelo cair da manhã com cantoria e muita dança, para despertarmos o lado melhor que há em nós. É uma alegria ver tanta gente e tanta variedade de idades em comunhão! Seguiu-se a abertura das jornadas pelo bispo D. Manuel Linda, que relatou as problemáticas e as temáticas que seriam abordadas naqueles dois dias. Para a malta se conhecer melhor, fez-se um quebra-gelo que consistia no seguinte, à entrada foram distribuídos a todos os presentes papéis com um número aleatório entre 1 e 60, depois, na altura do quebra-gelo, foi pedido que cada pessoa se juntasse com as pessoas que tivessem o papel com o mesmo número. Grande algazarra e confusão! Uns gritavam pelo número que tinham recebido ao início do dia para encontrar os seus companheiros, outros escreviam numa folha de papel em letras grandes... Bom, daí resultou o famoso CINQUENTA E TRÊS (53), que foi o número que me calhou e e que eu e os meus companheiros de grupo andámos todo o fim de semana a gritar... Já antes do almoço, o Dr. Juan Ambrósio fez o que sabe melhor: colocar a plateia em dúvida consigo mesma, expondo os traços que definem um verdadeiro missionário. Tudo isto faz respeitando sempre as exortações apostólicas do papa Francisco.

@OMP

Chegou a hora de almoço! Sempre antecedida por uma oração a dar graças pela comida que temos à mesa. Os workshops tiveram lugar no decorrer da tarde. Abordaram-se temáticas como a “Igreja e diálogo”, “missão e comunhão”, “missão na periferia”, “todos, tudo e sempre em missão”, “ser missão” e “partilhar a viagem”. Temáticas de grande importância para a igreja nos dias de hoje, dada a sua reforma. Após o jantar seguiu-se um momento com um misto de emoções, diversão e reflexão proporcionado pela banda “Missio”. Entre umas músicas e uns “CINQUENTA E TRÊS”, houve oportunidade para ouvir também alguns testemunhos de missão lá fora que muito significam para quem está para partir. O dia terminou com uma pequena oração, estando todos ansiosos que o dia seguinte chegasse. 
Na manhã seguinte, o dia, como não poderia deixar de ser, começou com uma manifestação de fé. De seguida, debateu-se o tema “Que Igreja pretendemos? Para uma missão mais comprometedora” na “mesa redonda”, tendo sido possível ouvir vários testemunhos de fé para iniciar a abordagem. O dia estava prestes a terminar com a eucaristia e envio de quem ia partir em missão. “Foi um momento alto”, ditou-me então a Ritinha, a minha namorada! Mais que um testemunho individual, é um testemunho em comunhão, pois quem fica também parte!

@OMP 

Mais fotos aqui.

sexta-feira, setembro 21, 2018

Curso de Missiologia

De 27 de Agosto a 1 de Setembro decorreu no Centro Missionário Allamano da Consolata, em Fátima, o vigésimo quinto curso de Missiologia.
É um curso bienal e calha sempre na última semana de Agosto. Os anos pares correspondem ao 1.º ano de formação e os impares ao 2.º. E não é preciso fazer seguido porque os temas vão sempre sendo atualizados e alterados.
Julgo que fomos sensivelmente 40 pessoas entre leigos e religiosos de várias congregações e de vários pontos do mundo (Timor, Indonésia, Moçambique, Angola, Brasil, etc.).
Como guias e orientadores tivemos connosco o Pe. Adelino Ascenso, o Pe. Simão Pedro e a Irmã Célia Cabecinhas.
O dia começava com a oração da manhã e, por dia, tínhamos um orador ou oradora a falar sobre um determinado tema. Fazíamos sempre um trabalho de grupo, onde debatíamos um pouco as nossas ideias e foi muito bom poder aprender com outras pessoas e desfrutar dos contrastes culturais. Terminávamos sempre com a eucaristia.
Os temas que foram tratados nesta semana foram:
- a missão de São Paulo (Bispo de Lamego, D. António Couto);
- a evangelização na época dos descobrimentos, séc. XV a XVI (Pe. David Barbosa, do Verbo Divino);
- a interculturalidade (prof. Uni. Porto, Diana Palanca);
- missão e comunicação (jornalista da SIC, Joaquim Franco);
- e a evangelização na exortação apostólica “A alegria do Evangelho” (Pro. Uni. Lisboa, Teresa Messias).
No último dia tivemos uma tertúlia com o Pe. Nuno Lima (missão no Japão), com o Pe. Adérito Barbosa (missão em Moçambique - Nampula) e com o casal de Leigos da Boa Nova, Ana e Sérgio (missão em Moçambique - Pemba).
No decorrer da semana fomos ainda visitar o museu da Consolata, assistimos ao filme “Que mal fiz eu a Deus” e usufruímos de um momento de convívio e partilha de costumes e tradições de cada continente.
Estas atividades realizaram-se à noite e não posso deixar de agradecer aos amigos Combonianos que me acolheram em sua casa. Ana, David, Glória, Laura, Márcia, Maria José, Mário e Pedro, um abraço cheio de carinho e votos de muito sucesso para o vosso caminho.
Foi sem dúvida uma experiência muito enriquecedora e aqui deixo o meu sincero incentivo a participarem.

Sílvia Antunes