quarta-feira, março 31, 2010

Memórias da Missão

Boa tarde amigos.
Hoje de manhã telefonei para Angola e falei com a Linha da Frente. Estavam a preparar a bagagem para depois partir em direcção à Tuma, uma das muitas aldeias do Gungo, ficando esta na zona baixa (pois a maior parte do Gungo situa-se em zona montanhosa) e também uma das mais próximas do Sumbe. É lá que vai ser celebrada a Páscoa. A equipa regressa ao Sumbe no domingo à noite. Como sempre, estavam animados e pediram para dar cumprimentos a todos os familiares e amigos.
Este contacto neste dia e o facto de a equipa missionária ir para a Tuma trouxe-me à memória algo que se passou faz hoje exactamente 14 anos. Dia 31 de Março de 1996 era domingo de Ramos. Durante toda a semana chouveu intensamente. Nesse domingo de manhã partimos para a Tuma, como já estava programado. Além de mim, ia também o catequista Fernando Fitela e a irmã Ida, da Sagrada Família. Enquando viajámos pelo asfalto a viagem correu bem, embora se vissem muitos estragos causados pelas fortes chuvadas. As dificuldades a sério começaram quando entrámos na picada que estava cheia de buracos feitos pela água que escorria em grandes quantidades e enormes lamaçais. Depois de muita luta mantida ao longo de mais de duas horas, lá conseguimos chegar às proximidades da Tuma. Mas, já mesmo perto, deparámo-nos com um cenário completamente novo e inesperado: o pequeno ribeiro que passava debaixo da ponte transformara-se num imenso rio onde a água dava pelo peito. E agora?
Não havia barco nem possibilidades de mudar de roupa.
Como a experiência é a mestra da vida, andávamos sempre apetrechados com ferramentas. Não faltavam pregos e martelo. Lá foram procurar dois paus e duas tábuas na aldeia. Fez-se uma tipóia e lá passámos nós aos ombros daqueles generosos voluntários.
A travessia não foi fácil. O chão incerto fazia adivinhar um passo mal dado e um mergulho não desejado. Mas, graças a Deus, tudo correu bem.
Tudo o que precisávamos para a missa foi transportado à mão, inclusivé a bateria do jipe e sistema de som.
Celebrámos a missa numa capela que ainda não tinha o telhado todo colocado, fizemos a habtiual reunião com a comunidade, almoçámos galinha com funge e regressámos à outra margem novamente de tipóia.
Queira Deus que desta vez a equipa da Linha da Frente tenha uma viagem menos atribulada.
Um abraço para todos e boa Semana Santa.
P. Vítor Mira

3 comentários:

Lucinda disse...

Uma imagem diz mais que mil palavras! Ainda bem que o P. Vítor tem "aquela coisa" pela fotografia!
Desejo boa viagem e bom trabalho à Linha da frente e bom regresso a casa.
Boa Páscoa para todos
Beijinho
Lucinda

Tio Serra disse...

As Memórias da Missão dão muita ALEGRIIAAA.
Obrigado Sr.Padre Vítor, por partilhar connosco estas memórias.
Deus dá-nos muitos Dons e o padre Vítor, tem imensos mas o da fotografia, também é muito importante, porque nos mostra a realidade da Missão.
Para a Linha da Frente vái o meu abraço, com votos que tenham uma Santa Pascoa junto com a comunidade da Tuna, que Jesus Ressussitado, vos dê muitas graças.
Aos Ondjoyetus da retaguarda um abraço amigo, e contem sempre conmigo.
Á Irmã Nancy um abraço e estamos juntos na Oração.
Para o resto do Mundo: Santa Pascoa
que o Sr. JESUS RESSUSSITADO esteja sempre no nosso coração.

Estamos sempre unidos na Oração.
Tio Serra

angélica disse...

Votos de uma boa e Santa Páscoa para todos os Ondjoyetus, para a Linha da Frente, para o querido povo do Gungo...
Obrigada Padre Vítor pela partilha!
Tukasi Kumosi!!!
Beijinho
Angélica